HC – ANOS DOURADOS DE HOLLYWOOD



 ANOS DOURADOS DE HOLLYWOOD – Nos Estados Unidos, após a Depressão, a indústria recupera-se. Hollywood vive os seus anos de ouro em 1938 e 1939. Surgem superproduções como A Dama das Camélias, …E o Vento Levou, O Morro dos Ventos Uivantes e Casablanca. Novos recursos técnicos possibilitam o desenvolvimento pleno de todos os gêneros. Desafiando o esquema dos grandes estúdios hollywoodianos, Orson Welles lança, em 1941, Cidadão Kane, filme que revoluciona a estética do cinema.

Orson Welles (1915-1985), diretor, ator e roteirista, nasce nos Estados Unidos e estuda pintura no Chicago Arts Institute. Como ator teatral funda, em 1936, o Mercury Theatre, em Nova York. Dois anos mais tarde passa a trabalhar no rádio, onde faz em 30 de outubro de 1938 uma emissão dramatizada da Guerra dos Mundos, de H.G. Wells, na qual anuncia a invasão da Terra por marcianos. Causa pânico na população e ganha notoriedade nacional. Em 1941 lança O Cidadão Kane, onde subverte a narrativa cronológica, com um enredo não-linear, ousadia na profundidade de campo e iluminação inspirada no expressionismo. Cria depois outras obras, como It’s All True (interrompida e concluída postumamente em 1993), e Macbeth (Macbeth – 1948) e Othello (Tragedy of Othello: The Moor of Venice, The – 1952), de inspiração shakesperiana.

 MUSICAL – Surge em Hollywood na década de 30 e se caracteriza por roteiros musicais que mesclam danças, cantos e músicas. No início dos filmes falados, os musicais sofrem grande influência do teatro. O filme que definitivamente estabelece o gênero é Melodia da Broadway (Broadway Melody – 1929), de Harry Beaumont. Seu êxito provoca uma onda de filmes que rapidamente se tornam populares, como Caçadoras de Ouro (Gold Diggers of 1933 – 1933), A Canção do Deserto ( – 1933) e O Rei do Jazz ( – 1933). Voando Para o Rio (Flying Down to Rio – 1933), projeta Fred Astaire e Ginger Rogers. Gene Kelly por Diário de Um Homem Casado (A Guide for the Married Man – 1967), Rita Hayworth por O Protegido do Papai (The Lady In Question – 1940) e Judy Garland por O Mágico de Oz (Wizard of Oz, The – 1939) também ganham notoriedade.

 COMÉDIA – Gênero consolidado na década de 20, a comédia incorpora novos nomes. Os irmãos Marx brilham com seus diálogos absurdos e graças de picadeiro em “No Hotel da Fuzarca” (The Cocoanuts – 1929), “Diabo a Quatro” (Duck Soup – 1933) e Uma Noite Na Ópera (A Night At The Opera – 1935). Os atores Oliver Hardy e Stan Laurel notabilizam a dupla O Gordo e o Magro em “Fra Diavolo” (The Devil’s Brother / Fra Diavolo – 1933) e “Filhos do Deserto” (Sons of the Desert / Fraternally Yours – 1933). W.C. Fields, que surgiu no cinema por volta de 1915, destaca-se na década de 30, com “No Tempo do Onça” e “A Filha do Saltimbanco”. O prestígio de Chaplin mantém-se em filmes como “Luzes da Cidade” (City Lights – 1931) e “Tempos Modernos” (Modern Times – 1936), que adquirem dimensão política. A combinação de ousadias eróticas e certa dose de crítica do cotidiano resulta na comédia de costumes, que domina o cinema americano. O alemão Ernst Lubitsch desenvolve o estilo em filmes como “Ladrão de Alcova” (Trouble in Paradise – 1932) e “Ninotchka” (Ninotchka – 1939), este com Greta Garbo. Outros representantes: George Cukor por “Uma Hora Contigo” (One Hour With You – 1932), William Wellman por “Nada É Sagrado” (Nothing Sacred – 1937), Leo McCarey por “Cupido É Moleque Travesso” (The Awful Truth – 1937), Howard Hawks por “Levada da Breca” (Bringing Up Baby – 1938) e um dos maiores nomes das décadas de 30/50, o diretor Frank Capra.

Frank Capra (1897-1991) nasce na Sicília e emigra para os Estados Unidos, em 1903. Na juventude estuda química e matemática. Começa no cinema como argumentista dos cômicos Laurel e Hardy (O Gordo e o Magro). Na direção, desenvolve uma obra de conteúdo social, otimista e confiante na democracia americana, que acerta em cheio, nos anos difíceis da Depressão. “Aconteceu Naquela Noite” (It Happened One Night – 1934), ganha os principais Oscars do ano. “Do Mundo Nada Se Leva” (You Can’t Take It with You – 1938), “A Mulher Faz o Homem” (Mr Smith Goes to Washington – 1939) e Adorável Vagabundo (Meet John Doe – 1941) são seus principais sucessos.

 WESTERN – Gênero específico americano, o western (faroeste) explora marcos históricos, como a Conquista do Oeste, a Guerra de Secessão e o combate contra os índios. Cenas de ação e aventura envolvem caubóis e xerifes. Em 1932 inicia-se uma grande produção de westerns, onde o caubói é também cantor, como Gene Autry e Roy Rogers. Cecil B. de Mille produz Jornadas Heróicas (The Plainsman – 1937). Em 1939, com No Tempo das Diligências (Stagecoach – 1939), John Ford abre o ciclo de produções com grandes diretores e astros, onde se destacam também King Vidor por Duelo ao Sol (Duel in the Sun – 1946) e Henry King por Jesse James (Jesse James – 1939).

John Ford (1895-1973), diretor americano nascido no Maine, filho de irlandeses, é um dos cineastas mais premiados do mundo. Depois de se formar no ensino médio, vai para Hollywood, em 1914. Começa trabalhando como ator, contra-regra e assistente nos filmes de seu irmão, Francis Ford, diretor e roteirista da Universal. Em 1917 estréia na direção, fazendo pequenos westerns. Seus filmes possuem orçamentos modestos, poucos atores, e alternam dramas com trechos de comédias. Sangue de Herói (Fort Apache – 1948) e O Céu Mandou Alguém (The Three Godfathers – 1948), estão entre os westerns mais importantes da década de 40.

 TERROR – São várias as tendências dos filmes de terror, que têm em comum o desequilíbrio e a transgressão do real. Em 1931, Drácula (Dracula – 1931) e Frankenstein (Frankenstein – 1931) entram em cena. Um ano depois, é a vez de O Médico e o Monstro (Dr. Jekyll and Mr. Hyde – 1932), baseado no romance de Robert Louis Stevenson. Em 1933, o gorila King Kong (King Kong – 1933) assusta as platéias do mundo inteiro.

 POLICIAL – O filme policial surge na França, no começo do século, mas é nos Estados Unidos, a partir da década de 30, que o gênero se firma. Cenários sombrios e escuros, neblina, cenas de crimes e violência envolvem detetives, policiais, aristocratas e belas mulheres. O filme noir – como os franceses o denominaram – logo se impõe como um grande gênero. Destacam-se Howard Hawks por Scarface – (Scarface – 1932) e John Huston por Relíquia Macabra / Falcão Maltês (The Maltese Falcon – 1941).