MELHORES FILMES SUSPENSE



O maior de todos os especialistas do gênero, o Inglês Alfred Hitchcock costumava recorrer a uma pequena definição de sua autoria para estabelecer a diferença entre a substância do que procurava obter em suas obras e o que, na sua opinião, ocorria em filmes de outra natureza, os de mistério.

“O suspense é um processo emocional, enquanto o mistério é um processo intelectual”, argumentava o diretor de obras-primas, como Um Corpo que Cai (1958), Intriga Internacional (1959), Psicose (1960), Os Pássaros (1963) e Janela lndiscreta (1954), para ficar em apenas cinco títulos de seu período mais frutífero, já nos EUA.

A competência e o charme dos filmes de Hitchcock acabaram transformando o nome do cineasta em marca, e essa marca em sinônimo de suspense. Embora não tenha sido ele o primeiro a lançar as bases do gênero, foi sem dúvida quem melhor soube explorar suas possibilidades.

Hitchcock não deixou herdeiros mas um séquito de imitadores que, salvo raras exceções, conseguiram apenas banalizar recursos narrativos aplicados pelo mestre com rara habilidade. Na verdade, ele soube construir todo um universo particular em que os mecanismos do suspense encaixa-se à perfeição. Reside naquela definição concisa de Hitchcock a essência do prazer que todos sentem ao assistir pela primeira vez a um de seus filmes. E também ao revé-los, pois – e eis aqui um detalhe fundamental – o falo de conhecer seus segredos não chega a prejudicar o interesse que eles despertam. Nos livros policiais de autores como Agatha Christie, o interesse da leitura resume-se em adivinhar quem é o criminoso de plantão, com base em pistas que ao final da trama se revelam traiçoeiras. Já as obras de Hitchcock, mais “generosas”, tratam de fornecer um bom volume de Informações ao público. Na maioria das vezes, o espectador sabe mais do que o protagonista.

Hithcock faz com que esse conhecimento gere emoção: ao perceber o que pode ocorrer aos personagens, antecipamos o possível desfecho e passamos a torcer para que ele não ocorra. “Entramos” na história, em vez de simplesmente observá-la.

Ninguém precisa esforçar-se muito nem mesmo quando a trama é especialmente complexa. A certa altura de Intriga Internacional, o público está provavelmente tão perdido na história quanto o personagem vivido por Cary Grant. Então, o cineasta se encarrega didaticamente de inserir no filme uma seqüência cujo maior objetivo é o de “recuperar” alguns detalhes para o protagonista – e também para o espectador. Lembre-se, no entanto, que o segredo de Hitchcock não consistia apenas dessa espécie de formula, simples de compreender mas difícil de executar. Humor, religião e sexo eram alguns dos principais elementos que costumavam rechear suas tramas e contribuíam para o envolvimento da platéia.

Infelizmente, parte dos cineastas que se aventurou – pelo gênero na esteira do mestre conseguiu somente identificar quais eram esses ingredientes. Na hora de reordena-los, muita gente errou feio na receita e, ao tirar o prato do forno, acabou oferecendo ao público o engodo do pastiche e da imitação barata. Até mesmo alguns dos mais competentes discípulos do diretor inglês tiveram seus momentos comprometedores. Um bom exemplo é o de Brian De Palma, capaz de alternar homenagens e releituras curiosas (como em Um Tiro no Noite, 1981 e Dublê de Corpo, 1984).

Ainda que a obra de Hitchcock seja a maior referência para o gênero, é possível encontrar cineastas que optaram por outros caminhos para falar à emoção do público. É o caso de Joel e Ethan Coen em Gosto de Sangue (1984), e de Jonathan Demme em O Silêncio dos Inocentes (1991). Obras-primas que seduzem e desnorteiam o espectador, sem fazer feio perto dos melhores filmes do mestre.



Psicose
Psycho (1960)

Dublê de Corpo
Body Double (1984)

O Terceiro Homem
The Third Man (1949)


1931
M – O Vampiro de Dusseldorf
M – Eine Stadt Sucht den Moerdver (1931)
    

Janela Indiscreta
Rear Window (1954)

O Mensageiro do Diabo
The Night of the Hunter (1955)

Testemunha de Acusação
Witness for the Prosecution (1957)

Repulsa ao Sexo
Repulsion (1965)

Os Pássaros
The Birds (1963)

O Homem Que Sabia Demais
The Man Who Knew Too Much (1956)

Um Corpo Que Cai
Vertigo (1958)


Esses filmes foram escolhidos pelo Webcine, com certeza estão faltando muitos outros grandes suspenses, você pode contribuir indicando o seu.