banfil1.gif (18740 bytes)

notasprod_1.gif (2071 bytes)

Amor a Toda Prova


A história e o elenco

Kathy Bates, que já criou no cinema personagens inesquecíveis, vencedora de um Oscar por seu trabalho como Annie Wilkes em "Louca Obsessão", faz o papel de Grace Beasley. "A maior força de Grace é o amor; amar é o que ela faz melhor", diz a co-roteirista e produtora Jocelyn Moorhouse, casada com P.J. Hogan, diretor de "Amor A Toda Prova", sendo ela também diretora ("Terras Perdidas", "Colcha de Retalhos").

Dan Aykroyd explica que Max, cujo pai morreu com a idade que ele tem hoje, procura aventuras depois de ter criado dois filhos e passado tantos anos casado com Grace. "Ele está passando pela clássica crise da meia-idade", diz o ator. E acrescenta: "Quer se jogar no mundo e começar a fazer coisas arriscadas e, por isso, deixa Grace. Abandonada, ela encontra motivação para dar os passos que precisa em sua nova vida. E, na verdade, ela se aventura em coisas muito mais excitantes e perigosas do que o marido jamais conseguiria imaginar".

Percebendo que chegou ao fundo do poço, Grace se enche de fé e pega um avião para ir ao funeral de Victor em Gales, ignorando os protestos de Max, do filho Andrew (Jack Noseworthy) e da melhor amiga, sua nora Maudey (Meredith Eaton).

O que ela não sabe é que as circunstâncias vão levá-la ao chalé que Victor dividia com seu companheiro de muito tempo, Dirk Simpson. Rupert Everett, cuja atuação foi muito elogiada num filme anterior dirigido por Hogan, "O Casamento do Meu Melhor Amigo", descreve Dirk como "um fracasso amargo de 40 anos, cuja vida não aconteceu. Ele viveu com seu grande astro, o cantor que, para todos os efeitos e propósitos do mundo exterior, era heterossexual, mas que, na verdade, era gay. Com isso, Dirk, na verdade, não tem, identidade. Ele é um personagem secreto e, depois que Victor é morto, é quase como se ele jamais tivesse existido. E agora está tentando achar uma maneira de começar sua existência".

Dirk está inconsolável e, inicialmente, hostiliza Grace, mas ele logo percebe que os dois têm algo em comum. "Acho que um reconhece no outro a mesma situação difícil", observa Everett.

Quando Dirk revela que as irmãs de Victor estão tentando expulsá-lo da casa deste, Grace decide ajudá-lo. Um apoiando o outro com força e coragem, Grace e Dirk formam uma aliança que parece inusitada. "Através da solidão, estabelecem uma relação, um 'Amor A Toda Prova', que contrasta com os relacionamentos nos quais estavam envolvidos, que eram relacionamentos que escravizavam", pondera Everett. E completa: "Desse modo, é também uma espécie de história de amor entre os dois".

Essa nova amizade coloca os dois numa missão - voltar a Chicago e encontrar o homem que matou Victor Fox. "Grace é extremamente vulnerável e forte, mas o ponto-chave é que ela não sabe a força que tem até ser posta à prova. Quando descobre sua força, torna-se uma nova pessoa. Torna-se a pessoa que devia ter sido e que tinha esquecido que era", revela Jocelyn Moorhouse.

Para levar esse relacionamento especial para o cinema, Jocelyn Moorhouse e P. J. Hogan, que escreveram o papel de Dirk pensando em Rupert Everett, imediatamente procuraram Kathy Bates para o papel de Grace. "Kathy pode ser terna e carinhosa, assim como pode ser forte mas, quando encontra Dirk, sua generosidade se torna uma força,com as emoções levando-a em direção à vida", analisa Jocelyn Moorhouse.

O produtor Jerry Zucker acrescenta: "Kathy é uma pessoa profunda, há algo nela que pode fazer você chorar por ela. Tem também um maravilhoso senso de humor, mas o mais importante de tudo é que ela pode partir seu coração. Essa é a chave para o filme e Kathy personifica Grace perfeitamente".

O diretor P.J. Hogan tinha vontade de trabalhar com Ruppert Everett desde a última experiência que tiveram em "O Casamento do Meu Melhor Amigo". "Pensamos em Rupert para o papel de Dirk ao escrevermos o roteiro. O papel era talhado para ele, mas o personagem não é baseado nele", salienta Jocelyn Moorhouse. Na verdade, ela pensara inicialmente em escrever a história logo depois da morte de Graham Chapman, do grupo Monty Python. Ela conta: "Fiquei realmente comovida com a morte de Chapman. Senti que não haveria mais produções daquela pessoa surpreendente. Tive uma sensação repentina da perda de um grande talento e percebi o quanto ele significara para mim. Tive um impulso de ir à Inglaterra para homenageá-lo".

Mas o proodutor Zucker explica que Everett criou o personagem Dirk à sua maneira. "Rupert pode fazer um papel com grande sensibilidade ou grande sofrimento", ele diz. E prossegue: "Ele pode ser asqueroso e zangado na tela; pode bancar o maluco e fazer você rir. Também pode ser a voz da razão, como foi em 'O Casamento do Meu Melhor Amigo'. Porém, sendo ele mesmo, Rupert tem a qualidade aparar as arestas sem perder o centro. Em 'Amor A Toda Prova' Rupert faz você rir e, ao mesmo tempo, você continua a ter carinho por seu personagem".

O terceiro personagem-chave em "Amor A Toda Prova" é Maudey, nora e melhor amiga de Grace. Maudey era descrita como uma anã e, depois de procurar por uma atriz nos Estados Unidos, na Inglaterra e na Austrália, os produtores encontraram a Maudey perfeita na jovem estreante Meredith Eaton. "Nós primeiro a vimos em vídeo e nos apaixonamos por ela", diz Jocelyn Moorhouse. E acrescenta: "Quando P.J. foi encontrá-la, cruzamos os dedos, torcendo, para ela ser realmente ótima - e era. Era exatamente a combinação certa das qualidades necessárias. Ela é urbana, sabe viver numa grande cidade, adoramos seu sotaque de Nova York e o fato de ser uma nova-iorquina legítima. E é também charmosa e bonita. Nós a consideramos realmente uma atriz de cinema".
"Maudey passa boa parte do filme achando que não é uma boa mãe para Pokey, que não é uma boa esposa", diz Meredith Eaton. E continua: "Ela não tem problemas em relação ao fato de ser anã. Só se preocupa em fazer o melhor e em lutar contra seus desejos íntimos de estourar, pegar uma arma e descarregá-la nas pessoas. É decidida, empreendedora e voluntariosa. Na verdade, é ela que manda".

"Nós queríamos que a vida fosse para os personagens principais um pouquinho mais dura que para as outras pessoas", diz Jocelyn Moorhouse. "Assim, nós a criamos como uma pessoa pequena. Mas ela não é definida como sendo uma pessoa pequena. Na verdade, ela é mais forte que Grace ou Dirk e, assim, é uma inspiração para os dois. E ela também toma conta de Grace. P.J. e eu gostamos da idéia de acrescentar o fato de Maudey ter depressão pós-parto, além de ter de lidar com o fato de o marido abandoná-la."

Jerry Zucker adorou o trabalho de Meredith Eaton. "Considero Meredith como uma presença genuína na tela; ela domina a cena", elogia ele.

Os outros atores em cena são Jack Noseworthy, como o filho de Grace, Andrew; Lynn Redgrave como a irmã de Victor Fox, e Peter Sarsgaard como um enigmático lavador de janelas que trabalha no edifício onde moram Grace e Max, em Chicago.

Jocelyn Moorhouse destaca que "Amor A Toda Prova" lida com sentimentos universais. "Acho que todos nós procuramos pelo amor incondicional, que conseguimos ter ou que gostaríamos de ter. Todos nós o desejamos e continuamos a procurar por ele. Às vezes o encontramos, às vezes não. Mas acho que ele é o Santo Gral que todos procuramos num nível bem primário. 'Amor A Toda Prova' é sobre ser amado pelo que você é", diz ela.

Zucker acrescenta: "O filme também é sobre ter a coragem de seguir nossas convicções e não deixar outra pessoa nos intimidar. Grace é um personagem que se pode facilmente intimidar. Até tomar um passo decisivo que ocasiona grandes mudanças em sua vida. Acho que 'Amor A Toda Prova' é sobre se arriscar e, mesmo tendo medo, mergulhar fundo na vida".

Jocelyn Moorhouse resume: "E é realmente um conto de fadas, tendo-se em mente que, em geral, contos de fadas normalmente encerram grandes verdades. Freqüentemente são sombrios, porém verdadeiros. Como P.J. e eu gostamos muito de contos de fadas, eles sempre aparecem em nossos filmes. P.J. tem tentado descobrir se 'Amor A Toda Prova' é mais 'O Mágico de Oz' ou 'Pinóquio'".

As locações

A fotografia principal de "Amor A Toda Prova" começou em Chicago, Illinois, por dois meses, seguindo-se seis semanas em Gales e Londres. A própria cidade de Chicago, bem como as três pequenas cidades em Gales que representam a cidade fictícia de Lark, representam um papel importante no filme.

"Só poderia ser Chicago, jamais outra cidade", diz a produtora Patty Whitcher, que já trabalhara com Hogan e Zucker em "O Casamento do Meu Melhor Amigo" e com Jocelyn Moorhouse em "Colcha de Retalhos". "Foi totalmente escrito para Chicago, com suas pontes e seu metrô".

Jocelyn Moorhouse e P. J. Hogan se inspiraram especialmente em um determinado apartamento de andar alto onde se hospedaram durante a produção de "O Casamento do Meu Melhor Amigo" e procuraram o mesmo edifício para "Amor A Toda Prova". "Adoramos Chicago desde a primeira vez que aqui viemos por causa de 'O Casamento do Meu Melhor Amigo' e esse apartamento realmente esquisito onde ficamos serviu de inspiração para um elemento-chave do filme. Nós o recriamos como a casa onde Grace mora", conta Jocelyn.

Ela ressalta que o apartamento num andar alto desliga Grace da vida. "E então ela volta ao mundo real quando o marido a abandona e Victor Fox morre. É como ela renasce. Ela volta ao chão, na verdade ao subsolo. Volta a ouvir os pássaros cantando. Volta a ter contacto humano", diz ela.

Jerry Zucker explica: "As locações sempre foram importantes nos filmes de P.J., para ele a locação é realmente um elemento-chave no filme; ele escreve assim, então realmente vê as coisas desse modo. Ele se concentrou em filmar na ponte da Michigan Avenue, no metrô, em recriar exatamente o apartamento em que ele e Jocelyn ficaram e, em geral, fazendo as coisas de uma certa forma porque era a maneira como ele as via".

Embora a produção não tivesse acesso ao apartamento real, eles encontraram um imóvel ideal num alto prédio de escritórios na South Wacker Drive, onde um andar inteiro vazio foi transformado no apartamento de Grace e Max.

"Para P.J., o filme dependia totalmente de se encontrar o apartamento certo", lembra Patty Whitcher. E continua: "E finalmente o que encontramos foi um prédio comercial alto, com um andar inteiro vazio onde construímos o cenário do apartamento de Grace. As janelas dão para o Swiss Hotel, que nós preparamos para parecer um edifício de apartamentos".

Patty Whitcher comenta: "Foi engraçado encontrar dois edifícios com a exata justaposição, de modo que 80% da vista de Grace daria para o outro edifício com pequenas visões do céu, à direita ou à esquerda. Mas era necessário ser assim, porque Grace tem direito a apenas um pequeno pedaço da torta, a uma lasquinha do mundo. Ela mora em uma caixa e tudo que lhe diz respeito está encaixotado ali. E foi isso que achamos. De fato, o Swiss Hotel se parece com um pedaço de torta; é um edifício triangular, tem uma vista restrita e precisa".

As locações básicas em Chicago incluíram a Ponte da Michigan Avenue, onde foi filmada uma seqüência-chave e várias áreas do metrô, por onde Grace, Dirk e Maudey procuram o assassino de Victor.

A Ponte da Michigan Avenue, uma artéria importante no centro de Chicago, foi, das três, a locação mais fácil de se acertar, mas foi difícil conciliar os horários de filmagem. "A cidade colaborou conosco, mas o desafio era terminar as filmagens na ponte até 18 de novembro, antes que a Associação dos Lojistas da Michigan Avenue precisasse da ponte liberada para as vendas de Natal", conta Patty Whitcher.

A seqüência de ação filmada ali por duas semanas à noite exigiu muito dos atores e da equipe. Patty Whitcher comenta: "Foi um esforço físico muito grande para Kathy,Rupert and Meredith, ficarem deitados na ponte, com os equipamentos para os dublês, pendurados às grades como se ela estivesse elevada em 25 graus e a mais de 40 metros de altura. Foi difícil, mas eles foram ótimos. E sabiam estar em segurança o tempo todo, porque os responsáveis pelas cenas de ação, Dan Bradley e Tommy Fisher, que estavam o tempo todo com eles, são os melhores à disposição na indústria do cinema".

Encontrar a cidade fictícia de Lark foi um desafio para os cineastas. Hogan e o desenhista de produção já agraciado com um Oscar, Dick Sylbert, que trabalhara com Hogan em "O Casamento do Meu Melhor Amigo", viajaram pelo Canadá, pela Irlanda e por vários lugares na Inglaterra. "Procuramos por um bom tempo", recorda Sylbert. A cidade fictícia de Lark foi filmada em três cidades de Gales - Ludlow, Woebley e Pembridge - na costa oeste de Gales. "As três cidades em Gales têm uma ar de conto de fadas" acrescenta Patty Whitcher.

Os cineastas acharam a casa de Victor, onde Grace encontra Dirk pela primeira vez, pertinho de Londres, nos arredores da cidade.

"O roteiro de 'Amor A Toda Prova' é, a seu modo, um conto de fadas e tem muitas semelhanças com as idéias presentes no 'Mágico de Oz'", observa Dick Sylbert. E completa: "Temos três pessoas que, sozinhas, não têm como vencer, mas que, juntas, podem fazer qualquer coisa. Grace, nossa Dorothy, deixa Chicago e volta com seus amigos recentes para resolver o mistério de um assassinato. Em nossas mentes, nunca deixamos de saber a natureza de conto de fadas que aí existe".

O tempo todo no filme está presente a idéia do preto e do branco. Como Sylbert explica: "Quando Grace chega a Gales, há um mar de prédios em preto-e-branco. E quando volta a Chicago, as coisas são ainda mais em preto-e-branco - porque ela trouxe com ela essa idéia, esse novo ponto de vista. E Chicago agora é um lugar diferente".

"Há duas partes", ele continua. "Tem Chicago - um mundo frio, de aço e altos edifícios, onde as flores não nascem e onde não existem lindas montanhas. E é onde Grace começa sua aventura. É uma fazenda, mas uma fazenda ao contrário. É uma fazenda de aço frio. Então há a linda parte de conto de fadas, a de Gales".

Ao criar o apartamento de Grace, a grande preocupação de SylbertI não era o apartamento em si: "O apartamento dela não é um apartamento, é uma caixa, uma prisão da qual ela não pode fugir. Tudo que pode ver do lago que fica próximo são pedacinhos à direita e à esquerda do grande prédio, com desenhos gráficos em preto-e-branco do outro lado de sua janela. Com o prédio que escolhemos e o apartamento que construímos, 80% do lindo lago estão bloqueados. Essa é a frustração. O que ela vê são outras janelas e, nelas, as vidas de outras pessoas. E o prédio em si é uma grade e também um espelho", diz Sylbert.

E o desenhista de produção continua: "Nunca nos afastamos desses padrões e as grades se repetem o tempo todo. Isso também é verdade em relação à ponte e ao metrô. A Ponte da Michigan Avenue, a ponte mais bonita de Chicago, tem um chão que é uma grade. E tudo à volta é repetido à exaustão. O metrô parece com a mesquita de Córdoba, é repetitivo, com um número enorme de colunas. Você não saberia, depois de um tempo, onde está exatamente, porque é tudo a mesma coisa. Tivemos de trazer nossas próprias colunas porque estamos constantemente mudando a forma e a visão do que queremos ver e do que não queremos ver. Tudo neste filme se repete porque a repetição é o problema da vida de Grace e esta é, visualmente, a estrutura do filme".

Para o filme, Hogan trouxe o diretor de fotografia Remi Adefarasin, a quem muito apreciava por seu trabalho em "Elizabeth". Adefarasin comenta: "Estamos introduzindo um bocado de textura no filme, um monte de sentimentos diferentes. Ele começa em Chicago, uma cidade cheia de edifícios altos e, rapidamente no filme Grace vai para Gales, uma terra verde e agradável. Queríamos uma ar rural, para marcar bem as diferenças dos dois lugares. Mas o que foi maravilhoso e o que se pôde ver quando observamos Chicago e Heredforshire é que ambas têm uma qualidade gráfica. Há o preto-e-branco totalmente gráfico dos prédios em Gales, com semelhanças surpreendentes quando se olha para a arquitetura de Chicago, embora sejam totalmente diferentes".

"O começo de um filme é o mais importante, porque é quando você diz à platéia aonde você pode ir. Se você começa com uma cena bem comum, iluminada de modo uniforme, o público toma um choque quando você começa a jogar muitas cores, fazer algo estranho ou movimentos incomuns de câmera. Porém, se você começa com algo realmente mágico e estranho, como é o caso aqui, então o público está condicionado para o que vem depois. Se ele conhece os parâmetros do filme, se desde o início sabe como seremos ousados, ele aceita qualquer coisa que você lhe ofereça".

O ELENCO

KATHY BATES (Grace Beasley) inicialmente se consagrou nos palcos, mostrando ser capaz de atuar numa grande gama de papéis. Recebeu um prêmio Obie por seu papel como Frankie na produção original off-Broadway "Frankie and Johnny in the Clair de Lune". Pela peça, recebeu, ainda, o prêmio de Melhor Atriz do Los Angeles Drama Critics. Recebeu uma indicação ao Tony por seu papel como a filha suicida na peça vencedora do Pulitzer "'night, Mother", de Marsha Norman, e o prêmio Dramalogue.

A atriz deixou sua marca indelével em filmes aclamados como "Louca Obsessão", que lhe valeu o Oscar de Melhor Atriz, "Titanic", do vencedor do Oscar James Cameron, "Eclipse Total", aclamado pela crítica, e o filme de Jon Avnet "Tomates Verdes Fritos", pelo qual foi indicada ao Globo de Ouro. Outros créditos no cinema incluem: "Diabolique", "Lembranças Vivas", "Neblina e Sombras", "Por trás Daquele Beijo", "Romance de Outono", "Brincando nos Campos do Senhor", "Loucos de Paixão", "Dick Tracy", "Men Don't Leave", "Straight Time" e "Taking Off", de Milos Forman.

Mais recentemente, atuou no filme de Alexander Payne "As Confissões de Schmidt", contracenando com Jack Nicholson. Em 1999, foi indicada ao Oscar por seu papel como Libby Holden em "Segredos do Poder", de Mike Nichols. Kathy Bates também recebeu uma indicação ao Globo de Ouro e faturou o cobiçado prêmio do Screen Actors Guild por seu papel como uma intransigente negociadora política. Ainda em 1999, dirigiu seu primeiro filme, "Dash and Lilly", estrelado por Sam Shepard, Judy Davis e Bebe Neuwirth, que foi indicado a vários Emmy, incluindo o de Melhor Diretor. Ela também atuou em "O Rei da Água", sucesso de bilheteria, como a mãe protetora de Adam Sandler.

Possui, igualmente, créditos na TV, como atriz e diretora. Como atriz, foi agraciada com um Globo de Ouro, um prêmio do Screen Actors Guild e um da American Comedy. Como diretora, seus créditos incluem as séries da NBC "Homicide", "NYPD Blue" da ABC, e as da HBO "Oz" e "Six Feet Under". A revista Entertainment Weekly a indicou como uma das "25 Melhores Atrizes dos anos 90".

RUPERT EVERETT (Dirk Simpson) recentemente estrelou o filme aclamado de Oliver Parker "The Importance of Being Ernest", contracenando com Colin Firth, Reese Witherspoon, Frances O'Connor e Judi Dench. Há pouco filmou "Les Liaisons Dangereuses", no papel de Valmont e contracenando com Catherine Deneuve e Nastassja Kinski. Entre seus filmes anteriores estão: "Sobrou pra Você", com Madonna, "O Marido Ideal", "Inspetor Bugiganga", "Sonho de uma Noite de Verão", "As Loucuras do Rei George", "Prêt-a Porter", "O Hóspede quer Bananas", "Cemetery Man", "Dançando com um Estranho", "Duet For One", "Corações de Fogo", "Uma Estranha Passagem em Veneza", "Crônica de uma Morte Anunciada", "Tolerance", "Nem Freud Explica", "Zetterland" e "The Man With The Gold-Rimmed Glasses". Também emprestou sua voz para um personagem da adaptação para o cinema da popular série infantil Os Thornberries, "Os Thornberries - O Filme".
Everett foi aclamado pela crítica por sua atuação, ao lado de Julia Roberts, no grande sucesso "O Casamento do Meu Melhor Amigo", pelo qual recebeu uma indicação ao Globo de Ouro, um prêmio do American Comedy e um Blockbuster Entertainment. Teve seu talento inicialmente reconhecido internacionalmente por seu trabalho em "Another Country", repetindo o papel que fizera originalmente no teatro londrino.

O ator possui, ainda, uma vasta lista de créditos no teatro e é autor de dois livros de sucesso, Hello, Darling Are You Working? e The Hairdressers of St. Tropez.

MEREDITH EATON (Maudey) estréia no cinema em "Amor A Toda Prova". É conhecida do público por sua atuação como a advogada Emily Resnick no seriado "Family Law". Anteriormente, apareceu em "Comedy Central", "The David Letterman Show" e "Late Night With Conan O'Brien". Graduou-se em Psicologia pela Hofstra University. Tem, também, um grau de Mestre em Psicologia Geral pela Adelphi University, onde agora faz PhD em psicologia clínica.

DAN AYKROYD (Max Beasley) trouxe seu brilhante estilo de comédia e drama para o cinema e a TV por mais de 20 anos e, em 1975, mudou totalmente a televisão ao fazer parte dos membros originais do show de variedades inovador "Saturday Night Live". Lá conheceu o falecido John Belushi e formou a popular dupla The Blues Brothers, que fez grande sucesso no filme "Os Irmãos Cara-de-Pau", gravou um álbum de sucesso, "Briefcase Full of Blues", realizou um documentário, "The Best of the Blues Brothers" e uma seqüência do filme, "Os Irmãos Cara-de-Pau - 2000", que Aykroyd estrelou com John Goodman e também produziu e escreveu. Sua eclética carreira no cinema reúne cerca de 80 filmes, incluindo "Conduzindo Miss Daisy", aclamado pela crítica e que lhe valeu uma indicação ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante em 1990. Ele estrelou e co-roteirizou "Os Caça-Fantasmas I & II", "Os Espiões que Entraram numa Fria", "Dragnet - Desafiando o Perigo" e "Coneheads", tendo mais recentemente atuado em "Pearl Harbour", o épico de Michael Bay, contracenando com Ben Affleck, e no filme de Woody Allen "O Escorpião de Jade", com helen Hunt.

Em 1991, Aykroyd escreveu e dirigiu seu primeiro filme, "Nada Além de Problemas", no qual estrelou com seus amigos Chevy Chase e John Candy, e, em 1998, voltou para trás das câmeras, não como diretor, mas como a voz de Chip no desenho animado "FormiguinhaZ". Outros de seus créditos em cinema incluem "Crossroads", "Trocando as Bolas", com Eddie Murphy, "Quebra de Sigilo", com Robert Redford e Sidney Poitier, "Diamonds", com Kirk Douglas, "A Essência da Paixão" com Gillian Anderson, entre muitos outros. Dentro em breve será visto em "The Devil And Daniel Webster".

JACK NOSEWORTHY (Andrew) atuou recentemente nos filmes "Undercover Brother", "Cecil Bem Dement" e no filme de ação sobre a Segunda Guerra Mundial "U-571 - A Batalha do Atlântico". Outros de seus créditos incluem "A Mão Assassina", "Event Horizon", "Breakdown- Implacável Perseguição", "The Trigger Effect" e "Alive".

Na televisão, fez o papel principal na série da MTV "Dead at 21".

Os créditos de Noseworthy no teatro incluem a produção da West Coast Ensemble de "Equus", pelo qual recebeu um prêmio do Los Angeles Drama Critic's Circle e um Dramalogue de Melhor Ator. Viajou com o musical "Cats" e esteve na companhia original de "Jerome Robbins' Broadway", assim como na companhia que encerrou o legendário musical "A Chorus Line".

JONATHAN PRYCE (Victor Fox), já recebeu duas vezes o Tony e é conhecido por seu trabalho no teatro e no cinema.

No cinema, atuou em "O enigma do Colar", contracenando com Hilary Swank, bem como em "Carrington - Dias de Paixão", filme aclamado pela crítica, pelo qual recebeu o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes em 1995, além de uma indicação ao BAFTA de Melhor Ator. Trabalhou em "Stigmata", "Ronin", "Commedia", "007 - O Amanhã Nunca Morre", "Regeneration", "Evita", "Deadly Advice", "Shopping - Alvo do Crime","Uma Questão de Negócios", "Glengarry Glen Ross", "A Época da Inocência", "Namoros Eletrônicos, "As Aventuras do Barão Munchausen", "Doces Assassinatos", "Um Homem em Fogo", "Salve-se Quem Puder, "Haunted Honeymoon", "The Doctor and the Devils", "Brazil - O Filme", "The Ploughman's Lunch", "Something Wicked This Way Comes", "Breaking Glass" e "The Voyage of the Damned". Mais recentemente, atuou em "The Suicide Club", "The Testimony of Taliesin Jones" e "Dad's Room".

No teatro, recebeu o prêmio Olivier por sua destacada atuação em musical, bem como os prêmios Tony, Drama Desk e Outer Circle Critics de Melhor Ator em Musical, além do prêmio Play and Players Most Promising Newcomer, entre outros.

Na televisão, Pryce é mais conhecido por seu papel na série da HBO "Barbarians at the Gate", pela qual recebeu indicações ao Emmy e ao Globo de Ouro.

PETER SARSGAARD inicialmente se destacou por seu papel em "O Homem da Máscara de Ferro", contracenando com Leonardo DiCaprio e John Malkovich. Entre filmes anteriores fez "Os Últimos Passos de um Homem", "Uma Aventura no Deserto" e "Kids e os Profissionais". Mais recentemente estrelou, ao lado de Harrison Ford e Liam Neeson, o filme de Kathryn Bigelow "K-19: The Widowmaker".

Em "Meninos não choram", Sarsgaard foi aclamado pela crítica por seu papel como John Lotter, o homem que se torna amigo e depois mata Brandon Teena, papel da ganhadora do Oscar Hilary Swank. Recentemente atuou no filme de Wayne Wang "The Center of the World", tendo feito, em abril de 2002, com Val Kilmer, "The Salton Sea".

Membro da companhia teatral de Douglas Carter Beane, The Drama Department, baseada em Nova York, atuou na produção "Kingdom Of Earth".

OS REALIZADORES

O australiano P.J. HOGAN (dretor/roteirista) recentemente realizou seu primeiro filme americano, o bem-sucedido "O Casamento do Meu Melhor Amigo", com Julia Roberts e Rupert Everett. Sua estréia na direção se deu com o elogiado "O Casamento de Muriel", com roteiro de sua autoria. Quando "O Casamento de Muriel" estreou na Quinzena dos Diretores do Festival de Cannes em 1994, o filme recebeu 15 minutos de ovação. Foi igualmente recebido com entusiasmo pela crítica e dominou a premiação do Australian Film Institute Awards com 11 indicações, incluindo Melhor Direção. Recebeu prêmios AFI de Melhor Filme, Melhor Atriz, Melhor Atriz Coadjuvante e Melhor Som.

Hogan trabalhou na televisão australiana e na indústria do cinema como roteirista e diretor de sucesso por mais de uma década. Chamou a atenção em 1984, com "Getting Wet", que ele escreveu, dirigiu e editou. Ganhou dois prêmios do Australian Film Institute, incluindo Melhor Curta-Metragem de Ficção. Então ele dirigiu e co-roteirizou "The Humpty Dumpty Man", um filme para a televisão, e dirigiu o episódio sobre a preguiça em "Seven Deadly Sins" para a Australian Broadcasting Corporation Television. Hogan também dirigiu a segunda unidade do aclamado filme "A Prova", dirigido por sua mulher, Jocelyn Moorhouse.

JERRY ZUCKER (produtor) produziu o aclamado sucesso de bilheteria "O Casamento do Meu Melhor Amigo". Antes, dirigira o enorme sucesso "Ghost - Do Outro Lado da Vida", indicado a cinco Oscar, incluindo Melhor Filme. Também dirigiu e produziu "Lancelot - O Primeiro Cavaleiro" e produziu "My Life", "Caminhando nas Nuvens" e "Tá Todo Mundo Louco - Uma Corrida por Milhões".

Zucker fez parte do grupo original e bem sucedido ZAZ (David Zucker/Jim Abrahams/Jerry Zucker), que colaborou com a comédia clássica "Apertem os Cintos - O Piloto Sumiu!", escreveu e dirigiu "Top Secret - Super Confidencial", escreveu e produziu "The Naked Gun: From the Files of Police Squad!", dirigido por David Zucker, e dirigiu "Por Favor, Matem Minha Mulher". Com a ZAZ, Zucker também criou a série de TV "Police Squad" e escreveu a comédia popular e inovadora "Kentucky Fried Movie".

A australiana JOCELYN MOORHOUSE (produtora/roteirista) dirigiu dois filmes americanos: "Terrras Perdidas", com Jessica Lange e Michelle Pfeiffer, e "Colcha de Retalhos".

Antes, estreara na direção na Austrália, com o premiado "A Prova", que co-produziu com Lynda House. Juntamente com Lynda também produziu "O Casamento de Muriel", dirigido por seu marido P.J. Hogan, filme aclamado pela crítica.

Formada pela Australian Film, Television and Radio School, logo começou a trabalhar para a unidade de teatro do Channel 7, como editora de roteiro e roteirista. Lá desenvolveu seu curta-metragem, "The Siege of Barton's Bathroom", em uma série de doze capítulos, e mais tarde foi contratada para escrever o livro, c/o The Bartons, que foi traduzido para três línguas.

PATTY WHITCHER (produtora) há pouco produziu "Onde Mora o Coração", estrelado por Natalie Portman e Ashley Judd. Antes, foi produtora executiva em "O Casamento de Meu Melhor Amigo" e co-produtora em "High School High", "Colcha de Retalhos" e "A Dangerous Woman".

Foi gerente de produção em numerosos filmes, incluindo "True Lies", "Meteor Man", "The Lawnmower Man", "Nightmare on Elm St. VI", "Iron Maze", "Book of Love", "Darkman - Vingança sem Rosto" e "Boris & Natasha".

REMI ADEFARASIN, B.S.C. (diretor de fotografia) recebeu um BAFTA de Melhor Fotografia em 1999 por "Elizabeth", que também lhe rendeu indicações ao Oscar, ao prêmio ASC e ao Chicago Critics. Desde então, trabalhou em "A Essência da Paixão", dirigido por Terence Davies, no filme de Martha Fiennes "Paixão Proibida", em "De Caso com o Acaso", de Peter Howitt, estrelado por Gwyneth Paltrow. Cuidou da fotografia da segunda unidade no filme de Anthony Minghella "O Paciente Inglês", trabalhou em "Falsa Moral" e "Paixão de Alto Risco", ambos dirigidos por Angela Pope. Recentemente, filmou "Um Grande Garoto" e "The One and Only".

Adefarasin filmou o épico televisivo "Band of Brothers", para diretores dentre os quais Richard Loncraine, Tom Hanks e David Leland.

Com uma vasta lista de créditos na televisão, recebeu indicações ao BAFTA por "Lost Language of Cranes" e "Sweet As You Are".

DICK SYLBERT (desenhista de produção) já recebeu seis indicações ao Oscar e faturou dois deles. O primeiro foi pelo filme dirigido por Mike Nichol "Quem tem Medo de Virginia Woolf?", e o segundo por "Dick Tracy", de Warren Beaty, pelo qual também recebeu o BAFTA. As outras quatro indicações foram por "Chinatown", de Roman Polanksi, "Shampoo" e "Reds", de Warren Beatty ", e "Cotton Club", de Francis Ford Coppola. Foi agraciado, em 2000, com o cobiçado prêmio Life Achievement da Society of Motion Picture and Television Art Directors.

Sylbert, que recentemente foi desenhista de produção em "O Casamento do Meu Melhor Amiigo" e "Blood and Wine", já trabalhou em mais de 30 filmes. Seus créditos incluem "Baby Doll", "A Face in the Crowd" e "Clamor do Sexo", do diretor Elia Kazan, "Sob o domínio do Mal" e "Grand Prix" de John Frankenheimer, "The Pawnbroker" e "Longa Jornada Noite Adentro" de Lumet, "A Primeira Noite de um Homem", "Ardil-22", "Ânsia de Amar" e "The Fortune" de Mike Nichols, e "Fat City" do diretor John Huston.

Entre seus créditos estão, ainda, "O Bebê de Rosemary", de Roman Polanski, "A Fogueira das Vaidades" e "O Pagamento Final" de Brian De Palma, além de "Tequila Sunrise", "Frances" e "The Heartbreak Kid".

Sylbert também foi vice-presidente de produção da Paramount Pictures.

MARY VOGT (figurinista) mais recentemente trabalhou nos sucessos "MIB - Homens de Preto I & II" e "Inspetor Bugiganga". O conjunto de seu trabalho, de grande alcance e versatilidade, inclui "Um Grande Problema", "Nick of Time", "Drop Zone", "Corra que a Polícia Vem Aí 33 1/3 - O Insulto Final", "Hocus Pocus", "Batman - O Retorno", "The Hard Way", "Only the Lonely", "Crazy People", "Corra que a Polícia Vem Aí", "Aprendiz de Feiticeiro" e "Tocaia".

ROBERT C. JONES (editor), que recentemente trabalhou em "Loucos do Alabama" e "Bulworth", foi indicado ao Oscar por três vezes pelo trabalho em "Bound for Glory", "Adivinhe Quem Vem para Jantar" e "It's a Mad, Mad, Mad, Mad World". Pelos dois últimos, também recebeu uma indicação ao prêmio Eddie.

Seus outros créditos incluem: "City Hall - Conspiração no Alto Escalão", "Love Affair - Segredos do Coração", "Married To It", "The Babe", "Beyond the Law", "See No Evil, Hear No Evil", "Twice in a Lifetime", "Lookin' to Get Out", "O Céu Pode Esperar", "Shampoo", "The Crazy World of Julius Vrooder", "The Last Detail", "O Homem de La Mancha", "The New Centurions", "Cisco Pike", "Love Story", "Paint Your Wagon", "I Love You, Alice B. Toklas!", "Tobruk", "The Tiger Makes Out", "The Trouble With Angels", "Don't Worry, We'll Think of a Title", "Ship of Fools", "Invitation to A Gunfight" e "A Child Is Waiting".

Robert C. Jones tem uma carreira paralela com roteirista. Seus créditos incluem "Amargo Regresso", pelo qual recebeu um Oscar (partilhado com Nancy Dowd e Waldo Salt) e "Muito Além do Jardim". Os dois filmes foram dirigidos por Hal Ashby.

JAMES NEWTON HOWARD (música) recentemente criou a trilha sonora de "Treasure Planet", seu terceiro trabalho para a Walt Disney Features Animation depois de "Dinossauro" e "Atlantis, o Reino Perdido". Howard já fez a trilha de mais de 60 filmes e foi indicado ao Oscar cinco vezes. Entre seus trabalhos mais elogiados estão as trilhas de "O Fugitivo", uma das indicadas ao Oscar, "O Príncipe das Marés" e "O Casamento do Meu Melhor Amigo". Também compôs as canções indicadas ao Oscar "Look What Love Has Done" (do filme "Junior") e "For the First Time" (de "Um Dia Especial").

Além disso, sua música veio realçar filmes como "Sinais", "O Sexto Sentido" e "Corpo Fechado", de M. Night Shyamalan, "Os Queridinhos da América", "Um Grande Problema", "Neve sobre os Cedros", "O Advogado do Diabo", "O Mentiroso", "Space Jam - O Jogo do Século", "As Duas Faces de um Crime", "O Outro Lado da Nobreza", "Um Dia de Fúria", "Wyatt Earp", "Dave - Presidente por um Dia", "Vivos", "Glengary Glen Ross", "The Man in the Moon", "Tudo por Amor", "Grand Canyon - Ansiedade de uma Geração", "Meu Primeiro Amor", "Uma Linda Mulher", "Linha Mortal" e "Everybody's All-American", entre outros. Seus créditos ainda incluem trilhas para filmes ainda inéditos: "O Apanhador de Sonhos", "Who Shot Victor Fox" e "The Palace Thief".

Iniciou sua carreira como tecladista para Melissa Manchester e Elton John, com quem fez turnês nos anos 70 e no início dos anos 80. Trabalhou, ainda, com artista lendários como Barbra Streisand, Diana Ross, Rod Stewart e Bob Seger.

Para a televisão, Howard compôs e/ou escreveu as letras de temas memoráveis, pelos quais recebeu duas indicações ao Emmy, pela série "ER".


voltar.gif


transp.gif (45 bytes)