banfil1.gif (18740 bytes)

notasprod_1.gif (2071 bytes)

A Liga Extraordinária


A história

No auge da Era Industrial, um tirano impiedoso desenvolveu um novo e assustador armamento, num plano diabólico para colocar o mundo aos seus pés. A fim de combater essa ameaça foi reunida A Liga Extraordinária, composta por seres com poderes fora do comum.

"São super-heróis anteriores à existência dos super-heróis", define o diretor Stephen Norrington.

Mais do que os poderes sobrenaturais, são as qualidades humanas dos membros da Liga - coragem, lealdade, honra e sacrifício - que serão necessárias para derrotar a terrível ameaça tecnológica do homem conhecido como "O Fantasma".

"A história é divertida e animada, mas também mostra os riscos de uma só pessoa ou um só país se arrogarem o privilégio da invencibilidade", pondera o roteirista James Dale Robinson.

O produtor Don Murphy, cujo fascínio de longa data pelas histórias em quadrinhos o ajudou a fazer contato com algumas das figuras mais conhecidas do meio, ficou sabendo dos quadrinhos de Alan Moore em 1998. Tratava-se de uma das idéias que Moore estava desenvolvendo para sua nova série, a ABC (America's Best Comics).

Don Murphy recorda: "Eu estava conversando com o Alan, que considero um gênio criativo, sobre várias coisas e perguntei a ele casualmente, 'No que mais você está trabalhando?'. Ele me falou sobre sua idéia de criar a 'A Liga Extraordinária', que eu achei brilhante. Ele me enviou uma primeira versão, que levei para a Fox, onde eu estava trabalhando num outro projeto do Alan, Do Inferno. A Fox aprovou a história imediatamente e em poucas semanas ela já estava sendo desenvolvida".

Don Murphy e executivos do estúdio recorreram novamente ao universo dos quadrinhos, desta vez através do roteirista Robinson, ele próprio um amigo de Alan Moore e um respeitado autor de romances ilustrados. Robinson adorou a oportunidade de adaptar o trabalho de seu colega para as telas.

"Alan tem a capacidade de repensar coisas que já existem e transformá-las", declara Robinson. E prossegue: "A base de seu trabalho tem um tom sombrio e de certa forma amoral, e uma sensibilidade bastante inglesa, que me agrada. Os peculiares e diferentes membros da Liga, todos acostumados a reinar em seus respectivos meios, agora terão de estabelecer uma aliança".

No início, porém, os membros da Liga suspeitam uns dos outros. Allan Quatermain vê o Capitão Nemo como uma ameaça fora-da-lei vinda do alto mar, enquanto o capitão indiano o considera a personificação do imperialismo britânico que ele tanto odeia e que o levou a construir e a se refugiar no seu notável submarino. O imortal Dorian Gray é ex-namorado de Mina Harker, enquanto Skinner e o Dr. Jekyll são aberrações da sociedade - mutações criadas por avanços tecnológicos não testados e inescrupulosos. Digamos que não seriam as pessoas mais indicadas para se reunir.

Segundo Sean Connery: "Juntar um homem como Allan Quatermain a Dorian Gray cria uma química interessante. Os personagens conflitantes desta história formam uma combinação ousada".

Talvez nenhum outro integrante da Liga seja tão bem definido por seu passado quanto Allan Quatermain. Sean Connery descreve o personagem: "Ele age de forma instintiva, à moda antiga". Antes um defensor declarado do governo de Sua Majestade, Quatermain é agora uma lenda desiludida e desocupada. Quando ele aparece inicialmente no filme, está em Nairobi, no empoeirado Britania Club, um refúgio tranqüilo para o implacável calor africano. Aqui, exilados ingleses relembram glórias do passado e bebem gim em meio a enfeites desbotados que profetizam o declínio do Império.

E o perverso megalomaníaco conhecido como Fantasma está ávido por acelerar esse declínio. Cabe ao misterioso agente da Inteligência britânica M (Richard Roxburgh) combater o Fantasma com um grupo de indivíduos singulares que ele recruta valendo-se de persuasão ou de ameaças.

A Allan Quatermain é oferecida a chance de voltar a lutar por uma boa causa, talvez pela última vez. Ao Capitão Nemo acena com a anistia das acusações de traição, enquanto a participação de Mina Harker é assegurada com a oferta de um tratamento inovador para sua peculiar doença. O mesmo ocorre com Rodney Skinner, o "ladrão cavalheiro" invisível. Dorian Gray é atraído pelos encantos femininos de Mina Harker, com quem ele espera reatar um antigo relacionamento. Contudo, Gray não é o único a ficar de olho em Mina. O jovem agente do serviço secreto norte-americano conhecido como Sawyer, que se une à Liga por iniciativa própria, fica imediatamente apaixonado, muito embora ainda não esteja ciente das atividades noturnas da moça.

Acrescentar o personagem Sawyer foi uma das mudanças que Robinson fez ao adaptar a história de Alan Moore. O jovem rapidamente passa a ver Allan Quatermain como um pai, e o vínculo que se forma entre eles torna-se talvez o mais importante para o grupo.

O vínculo mais dinâmico da história é aquele existente entre as duas personalidades do Dr. Jeykll, o médico, e o Sr. Hyde, o monstro. A versão de Hyde no filme é um ser de quase três metros de altura. Alter ego do tímido e reprimido Dr. Jekyll, que anseia por fugir das rígidas exigências da sociedade quanto ao comportamento de um cavalheiro, Hyde é um monstro brutal e desprovido de qualquer inibição, movido pelos desejos mais básicos e sombrios da alma humana.

Conforme a Liga acabará por descobrir, é difícil e perigoso negar a um monstro a satisfação de seus caprichos.

Capaz de exterminar vários homens com o mínimo de esforço, a ferocidade de Hyde inspira pavor entre aqueles que testemunham sua fúria em ação.

"As características e habilidades especiais de todos os personagens foram intensificadas no filme. Pode-se dizer que eles foram transformados em super-heróis", explica Don Murphy.

A produção

As filmagens duraram 20 semanas e a fotografia principal foi realizada quase inteiramente em Praga, com filmagens adicionais em Malta e em Los Angeles.

Para compor o visual de A Liga Extraordinária foram necessários 58 cenários diferentes, sem falar nos cenários em miniatura construídos em Los Angeles. Dentre os maiores e mais significativos ambientes criados pela desenhista de produção Carol Spier estão o famoso submarino Nautilus, um palácio subaquático de tecnologia altamente avançada do Capitão Nemo, e uma gigantesca paisagem urbana de fachadas e telhados de Veneza, Londres e Paris. Mais de 200 operários se dedicaram apenas à construção deste cenário.

O interior do Nautilus foi criado num depósito de um antigo estaleiro às margens do rio Vltava. O enorme cenário continha a ponte de comando do submarino, um luxuoso apartamento, os aposentos do capitão, quartos de hóspedes, corredores, sala de projéteis etc. Riquíssimo em detalhes, o Nautilus ficou tão magnífico quanto o hotel subaquático descrito por Júlio Verne nas suas histórias sobre Nemo.

Carol Spier comenta: "O Nautilus é o universo de Nemo e nós queríamos incluir elementos hindus para acrescentar simbolismo e espiritualidade a esse personagem enigmático. Nemo é um homem de muitos princípios, que se refletem na aparência ordenada e harmônica do Nautilus".

Naseeruddin Shah diz acerca do famoso submarino de seu personagem: "É como o Taj Mahal embaixo d'água, lindamente branco e misterioso, auto-suficiente e com uma opulência impossível de ser descrita com palavras. O Nautilus é mais um personagem do filme".
Ironicamente, o cenário do submarino foi o que sofreu mais danos durante a inundação que assolou Praga no início de agosto. O nível das águas chegou a mais de seis metros de altura no depósito onde ficava o cenário, destruindo quase tudo dentro dele. Sean Connery fez um apelo na TV pedindo auxílio em benefício da cidade. A enchente foi a pior a atingir Praga nos últimos 130 anos, e calcula-se que tenha sido a segunda pior em mil anos. Dezenas de membros do elenco e realizadores tiveram de ser realocados, a maioria no meio da noite, quando a água começou a subir inesperadamente.

"O cenário do Nautilus ficava numa das áreas mais atingidas de Praga", conta o co-produtor Michael Nelson. E completa: "O prédio onde ficava era também uma espécie de escritório central da produção. A oficina de efeitos especiais ficava lá, os figurinos, os objetos de cena, e tudo foi perdido".

Felizmente, a produção já tinha programado uma semana de filmagens em Malta em meados de agosto, o que permitiu que as filmagens prosseguissem num local seco, de clima quente; enquanto isso, as coisas iam lentamente voltando ao normal na República Tcheca.

A produção chegou a Gozo, ilha vizinha de Malta, em 18 de agosto. A imenso cenário da torre de observação do Nautilus tinha sido construído numa linda locação no alto de uma colina, na pequena cidade de Xlendi. Só se tinha acesso a esta locação remota por uma estrada sinuosa feita pela produção, que só comportava veículos pequenos.

A torre foi feita numa base rotativa à beira de um penhasco, proporcionando vistas panorâmicas da água e do céu, e fazendo parecer que os atores estavam no mar. As autoridades marítimas de Gozo pediram aos marinheiros que deixassem o horizonte livre, e um barco de patrulhamento garantia que nenhuma embarcação aparecesse no filme. As cenas filmadas nesse local incluem um momento comovente entre Quatermain e Sawyer, quando ambos atiram em alvos sobre a água e baixam um pouco a guarda.

Após quatro dias de filmagens em Gozo, a produção fez uma pausa de duas semanas enquanto os cenários em Praga eram reconstruídos e os equipamentos perdidos ou danificados eram substituídos. Elenco e realizadores voltaram para suas casas em diversos países, tornando a se reunir em 8 de setembro para filmar a parte externa da seqüência no Britannia Club, realizada numa pequena cidade a uma hora de Praga. A grande quantidade de cabras, porcos e outros animais emprestou certo realismo ao ambiente de Nairobi. Aqui, Allan Quatermain é abordado por Sanderson Reed, um emissário de M, cujo pedido de ajuda é reforçado por um violento incidente que convence Quatermain de que a situação é realmente urgente como alegou Reed.

Depois de se comprometer com a Liga, Quatermain encontra M e outros três integrantes num local secreto nas profundezas do Museu Albion, em Londres. Num encontro tenso, ele, o taciturno Capitão Nemo, a bela Mina Harker e o mordaz Rodney Skinner se analisam mutuamente e também avaliam a missão. Esta cena foi filmada em quatro dias na bela Strahov Library, uma estrutura de 900 anos localizada num monastério no histórico Castelo de Praga.

Para retratar o homem invisível Rodney Skinner, Tony Curran atuou nesta seqüência com o rosto e o corpo cobertos de maquiagem, afim de que a imagem pudesse ser removida na pós-produção, aparecendo na tela apenas o casaco, os óculos escuros e o chapéu.

Além de ter que depilar o corpo com freqüência para interpretar o papel, Curran passava cerca de duas horas para que o especialista em efeitos com maquiagem Dave Synder o preparasse. O ator revela: "Como eu não podia ter sobrancelhas nem uma testa visível, elementos visuais importantes para a comunicação, tive de acentuar as expressões e a empostação da voz. É um papel bem teatral e foi muito divertido fazê-lo".

Com quatro membros da Liga a bordo, a história e a produção seguiram para uma enevoada e misteriosa casa à beira de um cais em Tiger Bay, Londres, lar do enigmático Dorian Gray. Este cenário é uma das três fachadas de cidades - Londres, Paris, Veneza - construídas em Praga, numa antiga fábrica de maquinário pesado. Escondida numa esquina deste cenário imenso, a casa funcionou como o pano de fundo perfeito para uma tomada da torre do Nautilus surgindo lentamente no nevoeiro, sobrepondo a fantástica criação futurista de Nemo ao ambiente velho e decadente de Dorian.

A seqüência continua na biblioteca escura de Gray, onde a Liga é atacada pelo Fantasma e seus seguidores, e ajudada pelo surgimento inesperado de Sawyer. Trata-se de uma das cenas com mais ação do filme, com direito a lutas de artes marciais e disparos de armas. Filmada no decorrer de duas semanas num velho armazém em Lazne Tousen, nos arredores de Praga, a seqüência envolveu inúmeros dublês, explosões, cabos e quedas livres. A biblioteca, que abriga milhares de livros e antigüidades empoeiradas, é assolada por uma saraivada de balas e explosões.

Bem-sucedida no confronto com o Fantasma e com seis de seus planejados sete membros a bordo, a Liga segue numa caçada ao seu último integrante,? um misto de homem e fera que vem causando pânico nas ruas de Paris e que é o maior desafio da carreira de caçador de Quatermain: o enorme alter ego do Dr. Jekyll, um monstro feroz chamado Hyde.

Retratar o personagem Hyde na tela representou um processo complexo que envolveu vários departamentos. Utilizando ângulos de câmera, efeitos de computação gráfica, próteses e até atores anões, a aparência de um Hyde de quase três metros de altura foi criada através de um ator com menos de 1,80 metro numa roupa prostética de Hyde. Criada pela Edge FX, de Steve Johnson, a roupa de Hyde que Jason Flemyng usou pesava 20 quilos e tinha braços enormes controlados por alavancas. Ela levou mais de 12 semanas para ser feita, demandou o trabalho de 30 técnicos, oito partes esculpidas em espuma e 5.900 componentes para fazer os pulsos e dedos articuláveis. Duas outras roupas com menos detalhes foram usadas por dublês para tomadas de ângulo mais aberto.

"A musculatura e os detalhes anatômicos necessários para os braços prostéticos de Hyde exigiram muito trabalho. Não há pêlos nos braços para ocultar defeitos ou falta de detalhes, de modo que foram necessárias muitas pesquisas e experimentações para conseguir o visual certo", enfatiza Steve Johnson.

Eram necessárias sete horas para aplicar a maquiagem no rosto de Flemyng, além dos prostéticos. Para passar o tempo, ele jogava videogames. Cada pêlo na peça que ele usava na cabeça era inserido individualmente. Essas peças para a cabeça só podiam ser usadas uma vez, ao custo de cerca de 5 mil dólares. Devido ao grande peso, os braços prostéticos eram colocados no ator apenas momentos antes de cada tomada, pois era difícil se movimentar com eles.

Para Flemyng, o processo era exaustivo e empolgante ao mesmo tempo. "É uma experiência emocionante olhar no espelho e ver alguém que não tem nada a ver com você. Quando eu vestia a roupa, metade do trabalho já estava feito. Eu só precisava andar na direção certa e rosnar", conta o ator.

Filmar as cenas com Hyde, contudo, foi um processo bem mais complexo. Basicamente, Stephen Norrington e o diretor de fotografia Dan Laustsen filmaram as seqüências em duas partes: um lado 'A' para as tomadas em que Hyde não é visto, e um lado 'B' para quando ele aparece. As imagens do lado A foram filmadas primeiro e a partir delas Janek Sirrs e sua equipe criavam os efeitos visuais para o lado B, bem mais complicado.

Boa parte desse lado B foi filmada com uma imensa câmera em formato IMAX, como parte de uma tecnologia inovadora e complexa para fazer as imagens de Hyde parecerem bem maiores.

Juntamente a uma equipe especial para a câmera IMAX, um grupo de 10 técnicos de maquiagem com efeitos especiais se encaminharam para Praga e trabalharam incansavelmente nas roupas de Hyde, que incluíam uma série de prostéticos mostrando os diversos estágios de sua transformação. Assim como Flemyng, os atores Stuart Townsend e Richard Roxburgh tiveram de se submeter a extensas sessões para aplicação de maquiagem com efeitos para algumas cenas.

Uma das mais elaboradas cenas do filme retrata o famoso Carnaval de Veneza. Mais de 500 figurantes se fantasiaram com roupas de época, juntando-se a engolidores de fogo, ilusionistas, homens em pernas-de-pau e outras figuras extravagantes. A seqüência noturna da festa foi filmada no decorrer de duas noites, incluindo o trabalho da segunda unidade.

A seqüência do Carnaval foi filmada no cenário de Veneza, o maior e mais imponente do filme. A área tinha o tamanho de quatro campos de futebol e era composta de nada menos que 80 fachadas, centenas de vitrines de lojas e três canais preenchidos com água. Quando a cidade é tomada por uma série de violentas explosões, alguns dos cenários se desintegram, desmoronam ou se partem. Mais de 20 técnicos de efeitos especiais ficavam posicionados nos telhados para atirarem escombros e pedras falsas durante as filmagens.

"Os cenários são fantásticos e este filme tem a escala de um épico", elogia Sean Connery. E acrescenta: "Em todos os meus anos de trabalho nunca vi design ou construções melhores".

Quando a Liga chega a Veneza a bordo do Nautilus, seus membros desembarcam acompanhados dos marinheiros de Nemo, guardas e mergulhadores bem equipados. No entanto, a coisa mais impressionante a emergir do Nautilus é um estonteante veículo que transporta a Liga pelas ruas de Veneza a uma velocidade inacreditável. O carro espetacular é chamado de "o futuro" pelo Capitão Nemo; e de "Nemomóvel" pela equipe no set de filmagens.

O carro de direção dupla foi feito em Londres pela Retromotoring e equipado com um motor Range Rover LSE 4.2 V8, com suspensão independente e suportes hidráulicos para levantá-lo e abaixá-lo. A carroceria em fibra de vidro foi feita em Praga e adaptada à estrutura. O veículo de 7 x 2,70 metros alcançava uma velocidade de até 95 quilômetros por hora. Eddie Perez, dublê de Shane West, dirigiu a maior parte das vezes nas cenas em que o carro avança freneticamente por passagens estreitas, colunas e uma ponte para pedestres de 3,5 metros de largura.

"O carro é incrível; ele faz o Batmóvel parecer ridículo", declara West. E completa: "Eu mesmo o dirijo em algumas cenas e nunca andei em nada parecido".

Contrastando com a dimensão e a escala dos cenários do filme havia o trabalho em miniaturas do New Deal Studio em Los Angeles. A empresa criou um cenário que compreendia 30 prédios de Veneza numa escala de 1/5. O maior desses prédios em maquete tinha 5,5 metros e pesava mais de 450 quilos. O cenário foi construído dois metros acima do solo, sobre elevadores hidráulicos que desciam para simular o efeito dos edifícios afundando nas fundações.

O cenário em "miniatura" de Veneza era repleto de peitoris de janelas com vasos de plantas, sacadas, gôndolas, pontes, sarjetas, mesas, cadeiras, abajures e até roupas penduradas nas janelas. Tudo isto serviu para dar um sentido de escala ao cenário.

Juntamente à maquete de Veneza, a equipe do New Deal Studio construiu um canal de 30 centímetros de profundidade e 52 metros de comprimento, preenchido com 42 toneladas de água. O canal foi usado como pano de fundo e para cenas de ação específicas em que o 'Nemomóvel' corre por uma passagem estreita enquanto prédios desmoronam atrás dele num efeito dominó. Duas versões em miniatura do carro tiveram de ser criadas para esta seqüência. Bonecos representando os atores no carro eram animados por transmissores controlados via rádio.

Realizar seqüências em miniatura tão complexas exigiu a utilização de métodos complicados. Filmar maquetes requer uma compensação através do aumento da velocidade dos quadros e dos movimentos físicos frente à câmera, a fim de criar a ilusão de volume. Alcançar a velocidade necessária para os movimentos representou um desafio e tanto no que diz respeito às maquetes maiores. Além disso, a equipe de efeitos com miniaturas teve de sincronizar várias maquetes e objetos de cena com momentos específicos das cenas.

SOBRE O ELENCO

Nascido em Edinburgo, SEAN CONNERY (Allan Quatermain/ produtor executivo) trabalhou no cinema e na televisão antes de fazer o papel que daria início à sua carreira de astro das telas. Escalado para ser James Bond, o Agente 007, num filme de orçamento relativamente baixo chamado 007 Contra o Satânico Dr. No, o ator inaugurou uma das séries mais longas e de maior sucesso da história do cinema. Em seguida, atuou como Bond em Moscou Contra 007, 007 Contra Goldfinger, 007 Contra a Chantagem Atômica, Com 007 Só se Vive Duas Vezes, 007 - Os Diamantes São Eternos e 007 - Nunca Mais Outra Vez.

Seus trabalhos mais recentes foram Playing by Heart, com um elenco que inclui Gena Rowlands, Angelina Jolie, Gillian Anderson e Dennis Quaid, Armadilha, com Catherine Zeta-Jones e Encontrando Forrester. Outros créditos recentes contam com o sucesso de A Rocha e Coração de Dragão, no qual forneceu a voz e a personalidade para o monstro medieval. Dentre seus outros trabalhos destacam-se Marnie,Confissões de uma Ladra, de Alfred Hitchcock, bem como A Mulher de Palha, A Colina dos Homens Perdidos, Shalako e Ver-te-ei no Inferno. Fez, ainda, O Golpe de John Anderson, Assassinato no Orient Express, O Vento e o Leão, O Homem que Queria Ser Rei, Robin e Marian, Uma Ponte Longe Demais, Outland - Comando Titânico, Zardoz, Meteoro, O Nome da Rosa, Indiana Jones e a Última Cruzada, A Casa da Rússia, A Caçada ao Outubro Vermelho, O Curandeiro da Selva, Sol Nascente, Justa Causa, Medicine Man -O Curandeiro das Selvas e Lancelot - O Primeiro Cavaleiro.

Além de receber o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante e um Globo de Ouro em 1987 por sua interpretação em Os Intocáveis, Connery recebeu vários outros prêmios, como o Legion D'Honneur e o Commander Des Arts et des Lettres (as mais altas condecorações dadas pelo governo francês para celebrar a contribuição às Artes), e o British Academy of Film and Television Arts (BAFTA) de Melhor Ator por O Nome da Rosa, também em 1987.

Ele também foi homenageado com o Lifetime Achievement e uma máscara de prata especial do BAFTA presenteada pela Princesa Anne a um ator inglês, que fez uma excelente contribuição ao mundo do cinema, em 1998. Três anos antes, Connery recebeu o prêmio Cecil B. DeMille pela Hollywood Foreign Press Association por "excelente contribuição na área da diversão". Em 1997, o ator foi homenageado com um Gala Tribute pela Film Society of Lincoln Center por sua carreira.

Connery foi produtor executivo dos filmes Sol Nascente e A Rocha, e produtor, junto a Rhonda Tollefson e Lee Rich, de Justa Causa, da Fountainbridge Film.

De todos os prêmios que recebeu, aquele do qual Sean Connery mais se orgulha é o Freedom of the City of Edinburgh, concedido a ele em 1991.

SHANE WEST (Tom Sawyer) nasceu em Baton Rouge, na Louisiana, e começou a atuar aos 15 anos.

Ele atuou na série dramática da ABC Once and Again. Mais recentemente, estrelou o filme Um Amor para Recordar, em que contracena com a cantora pop Mandy Moore, participou do independente A Time for Dancing, com Larisa Oleynik.

Trabalhou com o amigo Ben Foster em dois filmes, Ruas de Liberdade e Volta por Cima, co-estrelado por Kirsten Dunst e dirigido por Tommy O'Haver.

Ele colheu elogios por seu trabalho no papel de "Ryan" no filme Correndo Atrás, uma versão moderna da história do Cyrano de Bergérac.

Quando não está atuando, West toca guitarra em sua banda, Jonny Was, sendo que a maioria das letras e das músicas são compostas por ele. Uma música da banda foi incluída na trilha sonora de Um Amor para Recordar.

STUART TOWNSEND (Dorian Gray) fez o papel de "Lestat" A Rainha dos Condenados, adaptação para o cinema da obra de Anne Rice, co-estrelado por Charlize Theron, Kevin Bacon e Courtney Love, e no thriller Encurralada. Poderá ser visto em breve em Shade, com Sylvester Stallone e Melanie Griffith.

O ator atraiu a atenção do público com seu desempenho em As Mulheres de Adam, que estreou no Festival de Sundance de 2000, e em Wonderland, dirigido por Michael Winterbottom. Em seus créditos na tela grande estão também Simon Magus, Under the Skin e Clube dos Trapaceiros. Ele possui, igualmente, créditos no teatro.

PETA WILSON (Mina Harker) é mais conhecida pelo papel de protagonista da popular série de TV La Femme Nikita. Outros créditos recentes incluem a minissérie A Girl Thing, o telefilme Joe and Max, a série Other People, e os filmes Seduzidas para a Morte e A Conspiração.

Antes de estrelar La Femme Nikita, trabalhou em The Sadness of Sex, Naked Jane e Loser e em diversos telefilmes.

NASEERUDDIN SHAH (Capitão Nemo) nasceu na Índia em 1950. Estudou na Escola Nacional de Teatro de Nova Déli e no Instituto de Cinema e TV da Índia, em Pune. Shah é um dos símbolos do novo cinema indiano, juntamente a Om Puri e Shabana Azmi.

Seus papéis em três dos filmes de Shyam Benegal (Nishant, Manthan e Bhumika) o elevaram ao status de um dos mais peculiares e interessantes atores indianos. Desde que participou desses filmes, trabalhou com quase todos os realizadores de renome da Índia e protagonizou filmes internacionais como a comédia O Assassinato Perfeito, de Ismail Merchant, Electric Moon (baseado no roteiro de Arundhati Roy), Bombay Boys, de Kaizad Gustad, e Casamento Indiano, de Mira Nair.

Além dos papéis dramáticos pelos quais se tornou conhecido, Shah trabalhou em filmes na língua hindi, tendo participado de 150 filmes.

Seu trabalho na TV inclui os programas sobre a vida selvagem Project Tiger e Living On The Edge, e o programa de temática científica The Turning Point.

No teatro, dirigiu e atuou em inúmeras montagens, em hindi e em inglês, além de ter dirigido sua própria companhia teatral, a Motley, pelos últimos 20 anos. Algumas de suas produções excursionaram pelos EUA.

Dentre os vários prêmios com que Shah foi agraciado pode-se citar o de Melhor Ator no Festival de Cinema de Veneza (por Paar), o Padma Shri, entregue pelo governo indiano em 2003, dois National Awards e três Filmfare Awards (o equivalente ao Oscar na Índia) na categoria de Melhor Ator.

O escocês TONY CURRAN (Rodney Skinner) co-estrelou recentemente Blade 2, com Wesley Snipes, sob a direção de Guillermo del Toro. Outros filmes recentes são Pearl Harbor, Gladiador, O 13º Guerreiro, Segredos da Vida e Heavenly Pursuits. Ele também integra o elenco da série Ultimate Force, baseado no telefilme Menace, que protagonizou.

Na televisão, atuou em mais de uma dezena de produções da BBC, incluindo Great Expectations e The Late Show.

Já no teatro, Curran atuou em diversas peças, como Victoria, com a Royal Shakespeare Company, The Glory of Living, no Royal Court Theatre, Silverface, no Gate Theatre, e Kidnapped, no Edinburgh Lyceum.

JASON FLEMYNG (Dr. Jekyll, o médico/ Sr. Hyde, o monstro) co-estrelou recentemente Do Inferno, com Johnny Depp e Heather Graham, bem como The Good Thief, com Nick Nolte e Ralph Fiennes, O Corpo e Rock Star.

Após se destacar em papéis coadjuvantes nos bem-sucedidos filmes de Guy Ritchie Jogos, Trapaças & Dois Canos Fumegantes e Snatch - Porcos e Diamantes, este ator inglês estrelou Lighthouse Hill e Anazapta, e co-estrelou The Mean Machine e The Bunker. Em seus créditos estão, ainda, Bruiser, O Violino Vermelho, Tentáculos, Beleza Roubada, Rob Roy - A Saga de uma Paixão e O Livro da Selva. Seu próximo filme será The Return of James Battie.

Flemyng recebeu o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cinema de Genebra por seu desempenho em Alive and Kicking.
Participou de várias produções da televisão britânica, como The Young Indiana Jones Chronicles, da ABC. O ator ainda possui créditos no teatro.

RICHARD ROXBURGH (M) agradou em cheio ao público de cinema ao atuar como o Duque de Monroth em Moulin Rouge- O Amor em Vermelho. Em seus créditos estão, também, Feitos um para o Outro, The Road To Coorain, Missão Impossível 2, Oscar e Lucinda - Uma História de Amor e Loucura, Passion, O Anti-Herói e Thank God He Met Lizzie.

O ator faturou os prêmios de Melhor Ator do Film Critics Circle of Australia e do Australian Film Institute (AFI) pela atuação como protagonista de Doing Time For Patsy Cline. Em breve poderá ser visto ao lado de Hugh Jackman em Van Helsing.

No final de 2000, Roxburgh dirigiu Twelfth para a Company B, a mais arrojada companhia teatral australiana. Seus trabalhos no teatro incluem a produção de A Gaivota, de Neil Armfield e Hamlet, sendo que este último valeu ao ator o prêmio de Melhor Ator do Sydney Theatre Critics' Circle.

Roxburgh recebeu vários outros prêmios, como o de Diretor Freelance do Sydney Theatre Critics' Circle John Tasker Award, o Silver Logie de Melhor Ator numa Série Dramática, além de uma indicação do AFI na categoria Melhor Ator por sua atuação altamente elogiada na série de TV Blue Murder.

SOBRE OS REALIZADORES

Antes de partir para a direção, STEPHEN NORRINGTON (diretor) era designer de efeitos especiais. Ele dirigiu anteriormente Blade - O Caçador de Vampiros, estrelado por Wesley Snipes, e A Máquina da Morte.

DON MURPHY (produtor) - Assim que se formou em cinema, Don Murphy e sua então sócia Jane Hamsher produziram Assassinos por Natureza, dirigido por Oliver Stone.

Murphy produziu os filmes Bully, de Larry Clark, Uma Vida Alucinante, estrelado por Ben Stiller, O Aprendiz, baseado no livro de Stephen King e dirigido por Bryan Singer, e Do Inferno, dirigido pelos irmãos Hughes. Assim como A Liga Extraordinária, Do Inferno foi baseado numa obra de Alan Moore.

TREVOR ALBERT (produtor) estudou jornalismo e cinema na Universidade da Califórnia em San Diego, e trabalhou como jornalista no San Diego Reader. Após se formar, mudou-se para Los Angeles para trabalhar na indústria do cinema. Trabalhou como pesquisador da Universal Pictures e da Warner Bros., e em seguida como assistente do produtor Jon Peters e de Barbara Streisand.

Em seus créditos como produtor estão: Férias Frustradas, Clube Paraíso, Como Salvar sua Família, Groundhog Day, Eu,Minha Mulher e Minhas Cópias, Endiabrado e The First 20 Million.

Depois de desenvolver projetos para a produtora Ocean Pictures, Albert criou sua própria companhia produtora na Fox, a Weekend Films.

JAMES DALE ROBINSON (roteirista) é inglês e mora em Los Angeles há onze anos. Foi um bem-sucedido autor de histórias em quadrinhos antes de escrever seu primeiro roteiro, www3.com. Seu trabalho seguinte, Akira, será produzido pela Warner Bros.

DAN LAUSTSEN, D.F.F. (diretor de fotografia) já foi diretor de fotografia de mais de 30 filmes, muitos dos quais em seu país de origem, a Dinamarca.

Entre seus trabalhos mais recentes são O Pacto dos Lobos, No Cair da Noite e Mutação.

Laustsen estudou fotografia e trabalhava como fotógrafo de moda quando decidiu estudar na Danish Film School por três anos. Seu primeiro trabalho no cinema foi aos 25 anos de idade, na Dinamarca.

A canadense CAROL SPIER (desenhista de produção) iniciou sua carreira como figurinista em The Great Muppet Caper, antes de passar a trabalhar como desenhista de produção, tendo começado como diretora de arte de filmes como Scanners Sua Mente Pode Destruir e Videodrome A Síndrome do Vídeo. Seu primeiro trabalho como desenhista de produção foi no filme A Hora da Zona Morta, e desde então trabalhou em A Mosca, Gêmeos Mórbida Semelhança, Mistérios e Paixões, M. Butterfly, Crash Estranhos Prazeres, Mimic, eXistenZ, e em Dracula 2000.

PAUL RUBELL, A.C.E. (editor) foi indicado ao Oscar de Melhor Edição por O Informante (crédito partilhado com William Goldenberg e David Robinson). Foi, igualmente, agraciado com o Eddie, o prêmio do American Cinema Editors e um Golden Satellite pelo filme. Rubell cuidou da edição de Triplo X, com Vin Diesel, A Cela e Blade - O Caçador de Vampiros.
Foi indicado ao Emmy e ao Eddie pelo trabalho realizado na aclamada minissérie Andersonville, além de ter sido indicado ao Emmy pelo especial de TV My Name is Bill W (crédito partilhado com John Wright).

JACQUELINE WEST (figurinista) - O trabalho de Jacqueline West como consultora de criação de Henry & June chamou a atenção do premiado diretor Philip Kaufman. De lá para cá ela cuidou do figurino de vários de seus filmes, como Contos Proibidos do Marquês de Sade, com Kate Winslet, Geoffrey Rush, Michael Caine e Joaquin Phoenix, (trabalho pelo qual recebeu indicações a vários prêmios na categoria de Melhor Figurino, incluindo o Oscar), e Sol Nascente, com Sean Connery e Wesley Snipes.

Ela também tem em seus créditos Just One Night e Leopold Bloom, com Joseph Fiennes, Elisabeth Shue, Sam Shepard e Dennis Hopper.
Entre os anos de 1988 e 1997, Jacqueline West, cuja mãe era estilista, teve sua própria marca de roupas, um verdadeiro sucesso de vendas.

JANEK SIRRS (supervisor de efeitos visuais) recebeu o Oscar (partilhado) de Efeitos Visuais por Matrix, e foi supervisor de efeitos visuais de Matrix Reloaded, bem como de O Grande Lebowski, O Homem que Não Estava Lá, Missão Impossível 2 (efeitos digitais) e Dr. Dolittle.

Em sua extensa lista de créditos estão, ainda, filmes de sucesso como Poderoso Joe, O Show de Truman, A Vida em Preto e Branco, Gattaca - A Experiência Genética, Con Air - A Rota da Fuga, Anaconda, O Mentiroso, Marte Ataca!, The Arrival, O Professor Aloprado, Estranhos Prazeres, Waterworld - O Segredo das Águas, Coração Valente, Na Roda da Fortuna e 1492 - A Conquista do Paraíso.

TREVOR JONES (compositor) compôs as trilhas sonoras de mais de 60 filmes, tendo sido os mais recentes Do Inferno e Crossroads - Amigas para Sempre. Ele foi indicado ao BAFTA por Um Toque de Esperança, Mississipi em Chamas e O Último dos Moicanos, sendo que este também lhe valeu uma indicação ao Globo de Ouro. Foi, igualmente, indicado ao Globo de Ouro pela canção que criou para Sempre Amigos, e ao Emmy pela trilha da minissérie Merlin.

Dentre seus créditos, pode-se mencionar 13 Dias que Abalaram o Mundo, Um Lugar Chamado Notting Hill, Cidade das Sombras, Até o Limite da Honra, Ricardo III, Medidas Desesperadas, O Beijo da Morte, Em Nome do Pai, Risco Total, A Um Passo do Poder, Aracnofobia, Vítimas de uma Paixão, Coração Satânico, Expresso para o Inferno e Excalibur.

Ele compôs a trilha para o telefilme e a série Dinotopia.

Jones, que nasceu na Cidade do Cabo, na África do Sul, ganhou uma bolsa de estudos para a Royal Academy of Music em Londres, onde estudou durante quatro anos, antes de se formar em música para cinema e mídia na British National Film School, cujo departamento de música ele dirige atualmente. Jones foi o primeiro aluno da British National Film School a faturar um Oscar (crédito partilhado), pelo curta-metragem The Dollar Bottom.


voltar.gif


transp.gif (45 bytes)