banfil1.gif (18740 bytes)

notasprod_1.gif (2071 bytes)

Tudo Que Uma Garota Quer


Inspirada no conto de fadas de 1958 The Reluctant Debutante com Sandra Dee - Rex Harrison, a produtora Denise Di Novi desenvolveu What A Girl Wants, uma comédia sobre a adolescência de uma jovem que sonha em construir um relacionamento com o pai que ela nunca conheceu. "Creio que toda jovem sonha em encontrar seu príncipe", diz Di Novi, produtora de romances inspirados como Um Amor Para Recordar e Uma Carta De Amor. "No filme What A Girl Wants, temos uma garota que almeja fazer seu conto de fadas tornar-se realidade, porém o príncipe que ela busca é o próprio pai".

Essa garota é Daphne Reynolds, uma jovem de dezessete anos muito vibrante e independente interpretada por Amanda Bynes, estrela da comédia para a televisão americana What I Like About You, e popular apresentadora do The Amanda Show no canal Nickleodeon. "Qualquer pessoa que tenha filhos conhece Amanda Bynes", afirma o produtor Bill Gerber, cujos filhos assistem religiosamente ao The Amanda Show. "Ela é muito inteligente e tem um incrível timing cômico. Tinha apenas 15 anos quando nos encontramos para falar sobre este projeto, e é bastante raro encontrar alguém nessa idade com tanta maturidade e talento".

"Amanda ilumina qualquer ambiente ao entrar", acrescenta o produtor Hunt Lowry, Presidente e Diretor Executivo da Gaylord Films/Pandora. "É uma comediante talentosa que irradia o mesmo charme irreverente que leva Daphne a cativar o público instantaneamente".

"Assim como Amanda, Daphne é uma jovem a um passo de se tornar mulher", afirma Dennie Gordon a diretora que impressionou aos cineastas com seu talentoso trabalho de direção na comédia de sucesso para a televisão Ally McBeal. "Ela tem a malícia das ruas, mas sem ser cansativa. Ela manteve sua inocência de 'garota da casa ao lado'".

Criada em Nova York por sua mãe boêmia, Libby, Daphne "cria fantasias sobre como seria se o pai fizesse parte de sua vida" explica Bynes. "Ela se sente incompleta por não conhecer esse lado, principalmente nessa idade crítica, quando está tentando descobrir quem é e quem quer ser".

Embora Daphne conheça a história do romance de sua mãe com Henry, o charmoso inglês que partiu seu coração, Libby tomou a decisão consciente de tentar criar a filha sem seu conhecimento ou ajuda. "Libby optou por criar Daphne como mãe solteira, somente com amor e proteção", comenta Kelly Preston, mãe de duas crianças, que transmite a Libby sua própria "joie de vivre". "Ela não quis introduzir o pai de Daphne na vida delas porque equivocadamente acreditou que ele a havia abandonado quase 20 anos atrás, e não queria que fizesse o mesmo com Daphne".

A gota d'água que levou Daphne a decidir encontrar o pai ocorreu em uma festa de casamento em Nova Jersey na qual ela e a Libby, que é cantora em casamentos, trabalhavam. "Daphne já havia trabalhado como garçonete em incontáveis casamentos, e uma vez mais se viu assistindo à tradicional dança da noiva com o pai, e desejando essa fantasia também para si", descreve Bynes. "Todos esses sentimentos de repente se cristalizaram e ela tomou a decisão madura de sair em busca de seu pai".

Armada apenas de uma foto do pai e de seu nome, Henry Dashwood, Daphne toma um avião para Londres decidida a realizar sua fantasia. "Ela é impulsiva e não considera as conseqüências", diz Bynes. "Creio que seja um sinal de autoconfiança e coragem de Daphne saber o que quer e correr atrás".

"Não queremos que cada adolescente da América pense que está tudo bem fugir de casa" alerta Gordon. "Mas Libby respeita a decisão de Daphne. Ela não está exatamente feliz com a idéia, porém respeita a necessidade que Daphne tem de conhecer o pai. O gesto materno mais carinhoso que Libby tem para com a filha é dar liberdade para ela perseguir seus sonhos".

"Acredito que é muito importante para os jovens em crescimento saber que têm o amor dos pais", afirma Alison Greenspan. Esse amor confere a cada um a força interior para crescer e tornar-se uma pessoa segura."

Fortalecida pelo amor e apoio de Libby, Daphne enfrenta a típica chuva inglesa, hospeda-se num albergue da juventude e conhece Ian, interpretado por Oliver James, um charmoso músico local que se torna seu guia informal de Londres. Com a ajuda de Ian, Daphne logo descobre que seu pai é ninguém menos que Lord Henry Dashwood, um proeminente político envolvido em uma aquecida disputa eleitoral.

"Henry é um bom rapaz", diz Colin Firth sobre seu aristocrático personagem. "A coisa mais escandalosa que já fez na vida foi apaixonar-se por Libby. Agora, quase 20 anos depois, ele está realizando o sonho político de seu pai e está noivo de uma mulher com quem foi aconselhado a se casar".

Firth ficou mais conhecido do público norte-americano como Mark Darcy na comédia romântica O Diário de Bridget Jones. Como Di Novi observou, "Colin faz o papel de um aristocrata reservado de forma muito convincente, mas há um grande coração por dentro. Ele se expressa muito bem através de um olhar, ou de uma pequena expressão ou gesto".

"Colin é extremamente contido", concorda Gordon. "Sua integridade e 'sex appeal' dão maior profundidade ao personagem. Ele foi minha primeira e única escolha para o papel de Henry Dashwood".

Decidida a encontrar o pai, Daphne rasteia a mansão Dashwood e sem cerimônia rompe a segurança da bem-guardada propriedade. Sua aparição logo põe a casa dos Dashwood em polvorosa. Não é de surpreender que Henry fique "chocado quando uma garota americana de 17 anos de idade surge com uma foto sua na mão dizendo 'Olá, sou sua filha'", relata Firth.

"Imediatamente, todos aqueles próximos a Henry assumem que seja um golpe elaborado por seus adversários para arruiná-lo ou chantageá-lo".

Porém quando Henry vê Daphne, instantaneamente se lembra de Libby e da profunda dor que sentiu por tê-la perdido. Assim como ocorre com Libby, ele tem vivido com a idéia errada nos últimos 17 anos - enquanto Libby acredita que ele a abandonou porque ela não servia para ele, Henry acredita que ela partiu porque não o amava. Na verdade, foi a conservadora família Dashwood quem a considerou inadequada para o casamento, mandando-a de volta para a América sem o conhecimento de Henry.

"Quando Libby partiu, Henry se fechou", conta Greenspan. ,"Ele reprimiu totalmente seus sentimentos e tem vivido sonhos que pertencem a outros".

"Ele é muito formal", diz Firth sobre a atitude de Henry em sua recente condição de pai, "e é muito difícil para ele se expressar como um pai. Ele não tem a linguagem adequada".

Henry não é o único que sente os efeitos da surpreendente chegada de Daphne - sua noiva Glynnis, desejosa de escalada social, e sua filha mau caráter Clarissa instantaneamente odeiam a mera idéia de sua existência. Anna Chancellor, conhecida por seu papel inesquecível como Henrietta, a "Cara-de-Pato", em Quatro Casamentos e Um Funeral, faz o papel de sua futura madrasta. "Glynnis é uma Primeira Dama transformada em malvada madrasta, e isso torna mais divertido interpretá-la", admite Chancellor. "Ela é incrivelmente ambiciosa e manipuladora; e não apenas organiza a vida de Henry e influencia suas decisões políticas para servir a sua agenda, mas está agora decidida a casar-se com ele e assumir o status e poder do nome Dashwood. Tudo caminhava muito bem para Glynnis até o surgimento de Daphne".

"Imagino que Glynnis sinta-se ameaçada por outra mulher na vida de Henry, especialmente uma filha", observa Bynes. "Ela quer se casar com Henry e transformar Clarissa na 'bela do baile' da família Dashwood".

A presença de Daphne também atrapalha os esquemas sociais e políticos cuidadosamente planejados por Alastair Payne, o principal assessor político e de negócios de Henry e que, convenientemente, é também o pai de Glynnis. Jonathan Pryce, um dos melhores atores ingleses de teatro e cinema faz o papel desse ardiloso político. "A última coisa de que Payne precisa no meio dessa campanha para as eleições é o aparecimento em cena de fruto de um romance", diz Pryce. "Há um tremendo potencial para situações nas quais uma adolescente de dezessete anos cause embaraços que poderão custar as eleições para Henry - e consequentemente também o poder para Payne."

Apesar dos riscos envolvidos, Henry acolhe Daphne no lar dos Dashwood. Esforçando-se para se encaixar no estilo de vida do pai, Daphne mete-se num turbilhão de festas de debutastes, chás e regatas - um ambiente assustador para uma jovem americana um tanto quanto deslocada. "Ela quer conquistá-lo, e decide que é melhor usar um vestido e uma tiara e se tornar uma debutante", revela Gordon. "Enquanto isso, Henry precisa trilhar o caminho delicado entre conhecer melhor sua filha e prosseguir com sua campanha política. Ele é uma pessoa sincera que está tentando fazer a coisa certa, porém se encontra em profundo conflito".

Daphne também está dividida. Segundo Bynes, "Num primeiro momento Daphne fica assustada com o mundo de seu pai, especialmente depois de conhecer Glynnis e Clarissa. Ela sente que não pertence àquele mundo, como se estivesse perturbando suas vidas. Ela não quer fazer parte daquele mundo, porém reconhece que terá que se adaptar para poder conhecer seu pai melhor e tornar-se parte de sua vida".

Infelizmente, os esforços iniciais de Daphne pouco fazem para conseguir seu intento - ou tampouco os de Henry. Ela não apenas ousou vestir jeans para o Royal Fashion Show, mas essa debutante relutante literalmente abala a casa quando sai dançando uma música de James Brown tocada pela banda de Ian. "Quando Daphne invade a alta sociedade, ela realmente vira aquele mundo de pernas para o ar", explica Gordon. "Ela diz o que pensa, faz o que tem vontade, e veste o que quer vestir. Ela não compreende os artifícios da etiqueta da alta sociedade. E acaba causando alvoroço".

Riqueza, status e posição social dizem pouco para Daphne, mas nada é mais importante para ela do que conhecer melhor seu pai. Ela então solicita ajuda de Ian para ter apoio moral e um curso relâmpago sobre o comportamento adequado a uma debutante. Ian é um sujeito sincero que gosta da Daphne do jeito que ela é", afirma Bynes. "Ele não é rico, porém trabalha nos eventos da alta sociedade e pode ensiná-la a se comportar nesse meio. Ele mostra Londres a ela e a faz sentir-se confortável nesse momento pouco cômodo de sua vida".

Britânico de nascença, Oliver James, que faz o papel de Ian foi também guia turístico de Londres para Bynes nos intervalos de filmagem. "Ela é uma graça", diz ele de sua parceira na tela. "Nos demos muito bem, e isso foi bom para ambos. Este foi meu primeiro filme e ela estava aqui sozinha, vinda dos Estados Unidos. Nos divertimos muito fazendo o filme e nos tornamos amigos."

Gordon descobriu o novato James durante a fase das audições em Londres. "Tínhamos uma missão difícil pela frente, porque precisávamos de uma pessoa carismática que soubesse cantar e atuar", ela relembra. "Na audição do Oliver ele cantou uma música do Red Hot Chili Peppers com a voz de um anjo. Pensei, 'Isso é bom demais para ser verdade; não é possível que ele também saiba atuar.' Então começamos a ler a cena e ele foi fantástico. Liguei para todos em Burbank, acordei-os e disse, 'Ian acaba de entrar pela porta'".

A sinceridade de Ian reflete na pergunta que ele faz a Daphne durante seu curso de etiqueta, "Por que você faz tanta força para se encaixar quando nasceu para se sobressair?". Contudo, Daphne está decidida a ser a filha que imagina que seu pai quer que ela seja.

Conforme Daphne tenta provar a si mesma e também a seu pai que amor - e a postura adequada - podem conquistar o tempo e as circunstâncias que os separaram, Dashwood começa a abrir seu coração para a filha que não conhecia. "Daphne é o sopro de ar puro que Henry precisou nos últimos dezessete anos", sugere Greenspan. "Ela não apenas o faz lembrar-se de Libby como também da pessoa que ele era quando estava com ela".

"Uma das coisas que sempre adorei sobre essa história é que um pai aprende algo sobre a vida com sua filha", diz Di Novi. "Ser um pai ensina muito a uma pessoa, e a honestidade e candura dessa menina ensinam ao pai quem ele deveria ser".

O primeiro vislumbre do homem por quem sua mãe se apaixonou, há muitos anos se deu durante uma regata muito prestigiada, quando ela repele as investidas de um admirador mais insistente e causa um ligeiro tumulto, causando sensação entre os que estavam a sua volta. Num momento de espontaneidade e rebeldia instintiva, Henry toma a motocicleta de Ian, Daphne pula na garupa e os dois fogem espetacularmente de um paparazzi enlouquecido.

Todavia, a experiência de Firth em conduzir a motocicleta não foi tão heróica assim. "Descobri que se você teve uma aula sobre motocicletas e depois fica algumas semanas sem praticar, você terá uns 10 minutos para se achar brilhante antes de levar um tombo", ele declara. "Subi o morro em alta velocidade e depois caí a duas milhas por hora. Voltei com pedaços da motocicleta se soltando".

A fuga audaciosa fortalece os laços entre pai e filha, porém a pressão de Payne e Glynnis para que Henry volte a ser quem ele era e que mantenha suas obrigações para com a reputação dos Dashwood acaba sendo forte demais. "Em determinado momento", diz Firth, "a carga de deveres e legado familiar tornam-se sérias ameaças à felicidade deles. Henry diz a Daphne, 'Se quiser fazer parte dessa família, alguns sacrifícios terão que ser feitos. Eu terei que fazê-los e você terá que fazê-los.' Basicamente isso significa que não haverá mais espontaneidade. Não haverá mais diversão".

Daphne assume esse novo papel e age de acordo com as regras, endurecendo sua personalidade vibrante - um sacrifício que afeta seu espírito e seu início de romance com Ian. Nesse meio tempo, Libby corre para Londres para salvar a filha do destino que ela temia para si há tanto tempo, somente para se ver envolvida nessa jornada de auto-conhecimento de Daphne.

"Libby acreditava que havia deixado Henry para trás quando deixara a Inglaterra", conta Preston. "Porém quando observa os laços existentes entre ele e Daphne e quanto amor ele tem pela filha, sentimentos intensos que ela jamais pensou que experimentaria novamente são despertados".

"Ao sair nessa aventura, Daphne não apenas encontra o pai e aprende sobre si mesma, mas também reacende esse fantástico caso de amor entre seus pais", observa Gordon. "E essa família aprende que a vida é cheia de segundas chances se souber aproveitá-las".
Embora a jornada de Daphne comece com o desejo de conhecer seu pai, sua maior descoberta é a de si própria. "Em última análise, Daphne descobre quem realmente ela é e que é feliz sendo ela mesma", conclui Bynes. "Ela não precisa mudar para seu pai. Ela não precisa mudar para ninguém. Ela é ótima do jeitinho que é".

Enquanto Daphne vai descobrindo quem ela é e o que quer, Henry reencontra algo importante que ele se negava havia muito tempo. "Ele tem sido sufocado pelo dever e pela formalidade e, no final, é seu relacionamento com a sua filha que o liberta dessa situação", conta Firth.

"Henry vai deixando de ser uma pessoa rígida e contida, tornando-se mais sensível e comunicativo com relação às suas emoções e sentimentos", Revela Bynes. "Daphne ensina que não é errado ser barulhento, engraçado e inadequado, se é assim que você é. Seja verdadeiro e siga seu coração".

Por fim, quando finalmente desiste de sua fantasia, Daphne descobre que a realidade é muito melhor que a vida de sonhos que havia imaginado para si. "O filme reafirma a eterna mensagem de que as pessoas devem ser elas mesmas e não tentar impressionar outros através de artifícios ou falta de autenticidade", afirma Greenspan.

Esse conto de fadas moderno toca em alguns pontos importantes sobre a fase de jovens tornando-se adultos. "Há alguns temas muito profundos que se encontram no romance, na comédia, na desilusão amorosa e na felicidade, acredita Di Novi. "A importância de um relacionamento afetivo entre um pai e uma filha, a importância de um pai na vida de uma criança, e a importância dos pais dispostos a fazer sacrifícios para tornarem-se bons pais".

"Talvez seja pelo fato de ser pai", imagina Gerber. "Já li o roteiro e assisti ao filme 100 vezes e ainda assim fico emocionado ao final".
Assim como acontece com Daphne, Bynes teve uma difícil, porém recompensadora, experiência no exterior. "Quando chegava à noite eu estava exausta!", diz ela rindo. "Mas adorei interpretar Daphne. Aprendemos uma com a outra".

JÓIAS BRITÂNICAS

"É o sonho de muitos jovens americanos viajar para a Europa - muitas vezes, pode ser a primeira grande aventura para aqueles que tiverem a sorte de ir", explica Di Novi. "Foi importante filmarmos na Inglaterra e não em um estúdio em outro local que não tem a magia que Londres reserva para tantas pessoas".

Hunt Lowry concorda. "A Inglaterra foi também um personagem do filme, com suas fabulosas mansões, o projeto estrutural de Londres e o Parlamento. Não poderíamos ter filmado esta história em nenhum outro lugar do mundo que não fosse Londres".

Gordon estava tão decidida a filmar What A Girl Wants em Londres que mesmo antes do filme receber a luz verde, ela viajou para Londres, pagando as despesas do próprio bolso, para sondar Colin Firth e tirar centenas de fotos de possíveis locações.

Di Novi concorda, com uma risada que para a produção também foi uma viagem de amadurecimento. Na Inglaterra nós, de certa maneira, éramos os peixes fora d'água. Por exemplo, tivemos que explicar por que estávamos com saudades de casa no 04 de julho. Mas houve uma troca muito boa entre os dois mundos e nossas experiências reforçaram a verdade de que adolescentes são adolescentes em qualquer lugar do mundo".

Gordon e companhia iniciaram as filmagens principais de What A Girl Wants no dia 05 de junho de 2002, no lado de fora de uma das casas mais finas da Inglaterra, West Wycombe Park em Buckinghamshire, à uma hora de carro do centro de Londres.

Ao longo das nove semanas de filmagens, Londres e redondezas revelaram verdadeiras jóias ocultas em uma cidade cheia de surpresas. Os gerentes de locações Nicholas Daubeny e Robin Higgs, recém saídos dos rigores de Harry Potter E A Câmara Secreta, puseram em prática seus conhecimentos e selecionaram alguns dos melhores locais de Londres e arredores.

Dentre todas as locações escolhidas, West Wycombe Park foi a principal e que serviu como a mansão dos Dashwood (tanto para tomadas internas como externas). O lago forneceu um cenário memorável para uma cena entre Daphne e Ian. O local também serviu para a realização de duas suntuosas festas de casamento.

West Wycombe Park é uma propriedade tombada e aberta ao público - que ficou muito intrigado com a presença de um set de filmagens! Sir Edward Dashwood, sua esposa Lady Lucinda e sua jovem família ainda vivem na propriedade. A família não apenas foi anfitriã dos realizadores do filme como também emprestou o nome da família para a família Dashwood da tela. "Dashwood" é um sobrenome famoso na heráldica Inglesa - um antepassado da família fundou no século 19 o Hellfire Club, um escandaloso clube para cavalheiros.

A escolha da mansão foi quase tão difícil quanto a escolha do elenco.", revela Gordon. "A mansão tinha que oferecer uma combinação entre ser insinuante, intimidadora e portentosa - e mais a frente ser capaz de aquecer-se após Daphne se mudar para lá. Por exemplo, quando Daphne se muda para a mansão Dashwood, o céu torna-se de um azul mais claro e as flores desabrocham de maneira mais brilhante. Essa propriedade tem cerca de 500 anos de idade com toda seu colorido extraordinário, tons maravilhosos de dourado e ocre que permitiram a casa ganhar vida com a luz do sol".

Gordon credita ao diretor de fotografia Andrew Dunn a capacidade de trazer a vida à mansão e sua imagem para a jornada de Daphne. "Contratei Andrew porque adoro a maneira como ele conta histórias com a câmara", diz ela. "Seu currículo que inclui Para Sempre Cinderela, passando por Doce Lar e por Assassinato Em Gosford Park, me provou que ele seria o Diretor de Fotografia ideal para filmar essa história".

"Andrew foi simplesmente fabuloso", acrescenta Greenspan. "Ele realmente conferiu um visual lindo e rico ao filme. Com a vinda de Daphne para a casa, ela foi inundada por luz e energia, e Andrew foi capaz de passar essa textura para a tela".

Em função de boa parte da ação do filme, What A Girl Wants, se passar durante a Temporada Social de Londres, os realizadores deram muita ênfase às locações luxuosas e requintadas. Poucas locações são tão requintadas quanto o Painted Hall da Royal Navy Academy of Greenwhich, que se torna sede do Royal Fashion Show, o primeiro evento social de que Daphne participa.

A Real Academia Naval de Greenwhich hoje faz parte do campus da Universidade de Greenwhich. Em tempos passados, Henrique VIII e suas filhas Mary e Elizabeth nasceram no palácio de Greenwhich que hoje abriga a Academia. O Painted Hall foi magnificamente restaurado e é considerado uma das mais valiosas obras de pintura barroca feita por um artista Inglês. A Capela da Real Academia Naval foi utilizada para a filmagem de um comício comandado por Henry Dashwood. A capela é muito associada à tradição marítima da Inglaterra e trás a inscrição: "Fé é a substância das coisas desejadas, e a prova das coisas que não podem ser vistas".

Uma singular vitória para os realizadores do filme foi a permissão dada para que a cena de um baile fosse filmada durante quatro dias na Lancaster House, que atualmente é usada para eventos governamentais e importantes conferências internacionais. (Lancaster House é vizinha a Clarence House, a residência Londrina da falecida Rainha Mãe, e que se tornará a residência de Sua Majestade, O Príncipe de Gales). Para conseguir a permissão para filmar no local, Gordon tomou chá com o Representante.

Vários dias foram dedicados às filmagens na Royal Air Force Halton, que outrora foi o retiro de Lionel de Rothschild. Após sua morte, seu filho Alfred herdou Halton e entre 1879 e 1883 construiu a Halton House, uma das primeiras residências a contar com energia elétrica e aquecimento central. No porão há um antecessor da moderna sauna - uma piscina aquecida.

Dois dias muito agradáveis também foram passados em Henley, às margens do Rio Tâmisa, local onde é realizada a Regata Anual de Henley, uma data importante no calendário social da Inglaterra.

No East End de Londres, uma equipe de produção do filme What A Girl Wants, transformou o agitado Borough Market numa rua do Chinatown de Nova Iorque, completa até com escadas de incêndio em ferro fundido. Um Café tornou-se um restaurante chinês - confundindo um morador local que naquela manhã de domingo chegou para tomar seu café.

Durante a última semana de filmagem, uma pequena unidade de produção, incluindo Colin Firth e Kelly Preston viajou em vôo fretado para o Marrocos para filmar por três dias na região de Quazazate nas margens do deserto do Saara.

FIGURINOS

Comandado pelo figurinista Shay Cunliffe, o departamento ficou encarregado de conseguir uma quantidade razoável de roupas e acessórios elegantes para as "socialites" para satisfazer os requintados eventos retratados no filme What A Girl Wants - somente em jóias havia uma fortuna digna de um rei.

Cunliffe pôde criar um visual suntuoso com generosas contribuições do joalheiro Bulgari, que forneceu algumas centenas de milhares de dólares em jóias - aliás, um colar usado por Anna Chancellor foi avaliado em US$ 100.000.

Munido de maravilhosas roupas obtidas dos mais finos costureiros de Londres, Cunliffe conseguiu vestir centenas de extras para os muitos bailes e eventos mostrados na produção. Muitos desses "extras" eram de fato pessoas da alta sociedade que deram a essas roupas os maneirismos e atitudes exigidas em tais ocasiões. O baile que foi realizado na Lancaster House teve a participação de um Guinness, um Rothschild e de um vizinho do Príncipe de Gales!

"Como figurinista, assim que li o roteiro pensei 'esse será um guarda-roupa maravilhoso de se fazer!'", revela Cunliffe. "Fiquei feliz em poder contar essa história através das roupas. Por exemplo, ao contrastar uma garota norte-americana com essa Inglaterra de faz-de-conta, eu destorci um pouco a realidade no sentido de que ela era a única pessoa com permissão para usar jeans. Eu imaginei Daphne vestindo um par de jeans surrados, justos e arrastando no chão. Obviamente os jovens do mundo todo se vestem assim hoje em dia, então tive que tomar a decisão, 'no meu filme não!' Somente ela poderá usar tênis e jeans com adereços pendurados".

Cada evento retratado teve um sabor próprio quanto ao figurino. "Com a Regata Henley, nós extrapolamos nos temas vermelho, azul e branco próprios da náutica. Demos a cada evento um tom diferente", revela Cunliffe. "Para o primeiro baile, que deveria ser bastante monótono e quase que um fracasso, vestimos todos com roupas clássicas. O baile de bota-fora da Daphne foi baseado em Minha Bela Dama, porém ligeiramente mais chique, com muito branco e preto e prateado".

Cunliffe também incorporou detalhes subliminares aos figurinos para sinalizar características importantes. "O guarda-roupa de Glynnis era muito justo assim como o controle que ela aparenta ter sobre Dashwood. Ela usa enormes colares dourados e no último baile um lindo colar de pérolas. Os vestidos usados por sua filha Clarissa tinham corpetes agressivos para combinar com sua atitude e suas amigas usavam vestidos com corpetes que, na minha cabeça, pareciam pequenos dentes".

MÚSICA

A música tem um papel muito importante em What A Girl Wants, e a música do filme é uma alegre mistura de canções contemporâneas e familiares. "Houve intensa gravação antes mesmo do filme, porque na história há muita música ao vivo, com Oliver e também com Kelly Preston", afirma Gerber, descrevendo o processo pelo qual as trilhas são gravadas antes das tomadas, depois usadas como 'playback' durante as cenas de apresentações para conseguir sincronismo com os lábios. "O pano de fundo para o filme é bastante musical".

"Projetar a trilha sonora para esse filme foi um grande desafio, pois trata-se de uma história para todas as idades," revela Gordon. "Criamos uma mescla de sucessos do momento que vai de The Donnas até Craig David, clássicos de rock como The Clash e velhas canções de namoro da época da escola, como Frank Sinatra. Foi um processo de seleção bastante complicado, porém reduzimos tudo a apenas 15 canções básicas, 07 canções que são executadas no filme e 37 lindas partituras feitas pelo meu compositor Rupert Gregson-Williams".

Preston, que nunca havia cantado em público, faz sua estréia fazendo "cover" de canções populares como "Heaven is a Place on Earth", "Shout!", e o sucesso de Celine Dion, "Because You Loved Me".

"Eu não imaginei que iria cantar neste filme, mas quando me pediram, eu disse 'Bem, posso tentar!'", relata Preston. "Foi muito divertido. O estúdio de gravação e o estúdio de dança foram mais gratificantes do que eu jamais poderia imaginar".

"O desempenho de Kelly como cantora foi algo que nunca imaginamos", diz Gordon. "Pensávamos que seria necessário alguém para dublar os vocais. Contudo Kelly treinou muito e fez toda a parte de vocais. Ela permaneceu no estúdio noite e dia ensaiando e todas as suas faixas ficaram ótimas."

"Gravamos várias canções para que as bandas de Ian e Libby tocassem no filme", afirma Gerber. "Foram gravadas covers de 'What A Wonderful World' e 'Have I Told You Lately That I Love You,' bem como outras canções originais". Nossa supervisora musical Debra Baum ficou em Londres trabalhando com músicos e produtores ingleses desde o início da produção. Ela foi muito valiosa".

Cantor profissional e estreante no cinema, James canta várias canções no filme. "Posso falar horas sobre o Oliver. Ele é um verdadeiro talento e um grande astro em formação", diz Baum, que ficou impressionada com a dedicação que James mostrou em cada detalhe. "Ele nunca havia tocado guitarra, então quis aprender alguns acordes para poder dar maior autenticidade visual era muito importante para ele".

"Dispúnhamos de apenas alguns dias com Oliver e durante esse período ele teve que aprender seus diálogos, andar de motocicleta, e interpretar cinco canções sendo que algumas eram clássicas e bastante difíceis", continua Baum. "Ele esteve no estúdio literalmente por duas horas e gravou todas as cinco canções, e todas foram usadas em suas apresentações em frente às câmaras. Ele não apenas fez um grande trabalho nas canções originais, mas foi realmente brilhante fazendo 'cover' de clássicos de Frank Sinatra, Louie Armstrong e James Brown. Seu desempenho foi bárbaro em todos os níveis".

James encarou uma das canções que foram programadas para que ele tocasse com um pouco de nervosismo. "Em determinado momento do filme, Daphne e Ian decidiram animar um pouco uma festa chata ao surpreender os presentes com um número de James Brown chamado 'Get Up Offa That Thing', relata James, "Essa canção nunca havia sido gravada desde que James Brown a cantou então não havia pressão ou qualquer coisa assim".

Duas das canções gravadas por James para o filme, "Long Time Coming" e "Greatest Story Ever Told", aparecem na trilha Sonora de What A Girl Wants junto com "London Calling" de The Clash, "What's Your Flava", de Craig David, "Crazy", de Meredith Brooks e "Half Life," de Duncan Sheik.

SOBRE O ELENCO

Nascida e criada em Thousand Oaks, California, AMANDA BYNES (Daphne Reynolds) iniciou sua carreira num encontro de comediantes. Foi, contudo em uma apresentação em Los Angeles, quando buscava aperfeiçoar seu talento, que foi descoberta por Brian Robbins que a chamou para integrar o elenco de All That da Nickelodeon. Após apenas uma temporada, ela foi indicada para receber o CableAce Award de 1997, que a colocou no mesmo patamar de atrizes já consagradas como Tracey Ullman e Janeane Garofalo.

Conhecida por seu estilo audacioso de comédia física sem restrições, Bynes subiu ao topo da série da Nickelodeon onde permaneceu por quatro temporadas na série All That. Aos 12 anos, Bynes tornou-se a mais jovem comediante a comandar um programa, o The Amanda Show que lhe rendeu por três vezes consecutivos o título de Atriz Predileta da televisão, conferido pelo Kid's Choice Award da Nickelodeon.

Bynes foi também apresentadora do Nickelennium, a comemoração do milênio da Nickelodeon, do The Big Help e do Kid's Choice Awards, e foi indicada para o prêmio Young Star Awards do The Hollywood Reporter's na categoria de Melhor Desempenho por Jovem Atriz em Seriado Cômico de Televisão.

Trabalhando ininterruptamente desde os 10 anos de idade, Bynes recentemente encantou o público com a comédia de sucesso Big Fat Liar contracenando com Frankie Muniz.

Bynes, que atualmente vive no Sul da Califórnia, passa seu tempo livre desenhando, pintando e escrevendo.

COLIN FIRTH (Lord Henry Dashwood) é um ator veterano inglês com formação em teatro clássico, e inúmeros papéis na televisão e cinema. Em 2001, ele se tornou mais conhecido do público norte americano ao contracenar com Renée Zellweger na comédia de sucesso O Diário de Bridget Jones, na qual fez o papel de Mark Darcy, o homem que disputou com Hugh Grant a afeição de Bridget. Ele é também lembrado por seu papel em 1995 quando interpretou Mr. Darcy na adaptação de Orgulho e Preconceito, feita pela BBC e pela qual recebeu a indicação para o BAFTA (THE BRITISH ACADEMY OF FILM & TELEVISION ARTS) como melhor ator e angariou uma legião de admiradoras.

Ele também poderá ser visto em breve estrelando o filme Hope Springs da Disney ao lado de Heather Graham e Minnie Driver. Ele terminou recentemente a produção de filme da Universal Love Actually com Hugh Grant e Laura Linney, bem como a produção independente Girl With A Pearl Earring, contracenando com Tom Wilkinson e Scarlett Johansson.

Também recentemente participou do filme da Miramax The Importance of Being Earnest¸ ao lado de Rupert Everett e Reese Witherspoon. Em 1998, Firth estrelou Shakespeare Apaixonado interpretando o papel de Lord Wessex, o marido malvado da personagem de Gwyneth Paltrow. Em 1997, esteve ao lado de Michelle Pfeifer e Jessica Lange em Terras Perdidas e em 1996 em O Paciente Inglês, contracenando com Kristen Scott Thomas e Ralph Fiennes. Seus outros créditos em filmes incluem Relative Values, Tempo da Inocência, The Secret Laughter of Women, Febre de Bola, Três Amigas e Uma Traição, Um Jogo de Sedução, e o papel-título em Valmont, Uma História de Seduções.

Em 1989, Colin Firth recebeu o prêmio de melhor ator da Royal Television Society bem como indicação para o BAFTA por seu desempenho na produção para a televisão Tumbledown. Outros trabalhos dele para a televisão incluem papéis nos filmes Conspiracy, Windmills on the Clyde: Making Donovan Quick, Donovan Quick, The Widowing of Mrs. Holroyd, Do Fundo do Mar, Reféns, e a mini série Nostromo. Sua estréia nos palcos londrinos foi numa peça do West End Another Country. Ele foi escolhido para interpretar o personagem Judd em 1984 numa adaptação da peça para o cinema.

Colin Firth vive em Londres com esposa e filho pequeno.

KELLY PRESTON (Libby Reynolds) é uma talentosa e cativante atriz que já atuou em um grande número de filmes, representando papéis em filmes como Jerry Maguire - A Grande Virada, Ruth em Questão e Irmãos Gêmeos. Suas atuações dinâmicas e cativantes fizeram da atriz uma das mais requisitadas de sua geração.

Preston terminou recentemente a produção de O Gato no Chapéu baseada no clássico infantil de Dr. Seuss, contracenando com Mike Myers e Alec Baldwin e com direção de Bo Welch. Ela pode ser vista também estrelando ao lado de Gwyneth Paltrow e Christina Applegate no filme A View from the Top de Bruno Barreto.

Após sua formatura do segundo grau, Preston mudou-se para Los Angeles e se matriculou na University of Southern California onde estudou artes dramáticas e teatro. Por fim transferiu-se para a University of California em Los Angeles e decidiu perseguir seriamente a carreira de atriz. Logo depois ganhou sua primeira audição.

Preston nasceu e foi criada no Havaí. Em função do cargo que seu pai tinha em uma empresa de agricultura, a família se mudou para o Iraque e um ano depois para a Austrália por mais dois anos. Durante sua adolescência no Havaí, Preston participou de alguns comerciais para a televisão e começou a se interessar pela carreira de atriz.

Seu primeiro longa-metragem foi no elogiado papel no filme de sucesso Irmãos Gêmeos ao lado de Arnold Schwarzenegger e Danny DeVito. Seus outros créditos incluem Só Você, Fugindo Para Viver, Seduzindo para Matar, Os Espertinhos, Enfeitiçados, Space Camp - Aventura no Espaço, Nenhum Passo em Falso, Admiradora Secreta e A Primeira Transa de Jonathan. Preston também estrelou o curta-metragem Vidas Perdidas, indicado para o prêmio da Academia e dirigido por Jeff Goldblum.

Preston foi aclamada por sua interpretação em Jerry Maguire - A Grande Virada. Esse filme da Tri-Star foi escrito e dirigido por Cameron Crowe. Também pôde ser vista no papel chave no aclamado filme da Miramax, Ruth em Questão. Estrelou A Lente do Amor ao lado de Meg Ryan e Matthew Broderick e a comédia Nada a Perder contracenando com Tim Robbins e Martin Lawrence.

Esteve ainda na comédia Santo Homem com Eddie Murphy e Jeff Goldblum¸ Jack Frost com Michael Keaton para a Warner Bros Pictures; Daddy and Them, dirigido por Billy Bob Thornton; e contracenando com Kevin Costner no filme da Universal dirigido por Sam Raimi, Por Amor.

EILEEN ATKINS (Lady Jocelyn), uma das mais destacadas damas do teatro Inglês, tem experimentado nos últimos anos um aumento no interesse por seu trabalho, tanto como atriz como de escritora. - ela está atualmente fazendo malabarismos para conciliar seu ininterrupto trabalho (Assassinato em Gosford Park, As Horas, Cold Mountain) com a elaboração de um roteiro para Liv Ullmann.

Desde os sete anos de idade, Atkins já estava entretendo nos clubes de trabalhadores e mais tarde consegui matricular-se no Guildhall School of Speech and Drama. Ao longo dos anos conseguiu inúmeros créditos em seu repertório clássico e contemporâneo.

Eileen criou com Jean Marsch o bem sucedido Upstairs Downstairs e The House Of Elliott. Mais recentemente fez a adaptação de Mrs. Dalloway, produzido por seu marido Bill Shepherd. Eileen também escreveu Vita and Virginia sobre Virginia Woolf e Vita Sackville-West, com base em correspondências entre as duas. Atuou nessa produção com Penelope Wilton no West End de Londres e com Vanessa Redgrave em Nova Iorque.

Mais recentemente, Atkins juntou-se ao elenco de Assassinato em Gosford Park de Robert Altman e também pode ser vista na versão de Stephen Daldry de As Horas com Meryl Streep, Nicole Kidman e Julianne Moore. Atkins também filmou Cold Mountain para Anthony Minghella. Atualmente está no The National Theatre na peça Honour dirigida por Roger Michell.

ANNA CHANCELLOR (Glynnis) atua com sucesso em televisão, teatro e cinema. Embora já tenha atuado no The National Theatre, The Royal Shakespeare Company e na Broadway, ela é mais conhecida por suas interpretações para a televisão; junto com John Thaw em Kavanagh QC, Albert Finney em Karaoke, bem como no último roteiro escrito por Dennis Potter, Cold Lazarus.

Freqüentemente Chancellor interpreta vilãs como Miss Bingley em Orgulho e Preconceito da BBC e Diana Leatherby em Tipping the Velvet, para a televisão e no cinema em O Que Elas Querem contracenando com Andie MacDowell.

Possivelmente sua atuação mais marcante foi no papel de Henrietta "Cara-de-Pato", a noiva de Hugh Grant em Quatro Casamentos e Um Funeral.

Recentemente Chancellor teve grande sucesso em Boston Marriage de Davis Mamet na conceituada Donmar Warehouse de Londres com Zoe Wanamaker.

JONATHAN PRYCE (Alastair Payne) é um ator sutil e incisivo, e que há muito tempo tem tido participação importante nos palcos e na tela. No palco, ele fez desde comédias musicais até papeis dramáticos, com grande eficiência. Personificou o Engenheiro em Miss Saigon e mais recentemente foi o Professor Higgins na peça Minha Bela Dama produzida pelo Royal National Theatre, com direção de Trevor Nunn.

Jonathan Pryce estudou na Royal Academy of Dramatic Art e já atuou no Royal Shakespeare Company onde interpretou Macbeth e Petruchio em A Megera Domada.

No cinema, seus sucessos recentes incluem Juan Perón no filme Evita de Alan Parker, com Madonna no papel-título; interpretou também Elliott Carver, o principal vilão no filme da série de James Bond, 007 - O Amanhã Nunca Morre; e Dr. William Rivers em Ecos da Guerra, baseado no livro de Pat Barker sobre a Primeira Guerra Mundial, pelo qual recebeu indicação como Melhor Ator pela British Independent Film Awards.

Seus primeiros créditos no cinema incluem A Viagem dos Condenados, The Ploughman's Lunch e Something Wicked This Way Comes. Foi a comédia de terror de Terry Gilliam, Brazil - O Filme que tornou popular o nome de Pryce.

Pryce também teve participação no filme As Aventuras do Barão de Munchhausen, também de Gilliam, e foi o cliente potencial de Al Pacino no filme O Sucesso a Qualquer Preço. Martin Scorsese o colocou no elenco de A Época da Inocência. Interpretou o personagem de Lytton Strachey em Carrington - Dias de Paixão, escrito e dirigido por Christopher Hampton, que lhe rendeu o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes bem como o prêmio de Melhor Ator no Evening Standard Award.

Na Broadway, ganhou o Tony Award por sua participação em Comedians (1977) e Miss Saigon (1990), e já em Londres, recebeu o Oliver Award por sua interpretação de Hamlet e novamente por Miss Saigon, e obteve indicação para o Emmy concorrendo na categoria de Melhor Ator Coadjuvante por Selvagens em Wall Street.

Em 2002 a BAFTA do País de Gales concedeu a ele prêmio especial.

A seguir, Pryce poderá ser visto contracenando com Johnny Depp, Geoffrey Rush, Orlando Bloom e Keira Knightli no esperado, Piratas do Caribe.

OLIVER JAMES (Ian Wallace) fez sua estréia em What A Girl Wants. Além de sua carismática atuação contracenando com Amanda Bynes, Oliver é músico e suas canções estão no filme. Dentre as cinco canções que estão no filme, Oliver interpreta "Get Up Offa That Thing" de James Brown com um toque todo seu.

Embora este seja o primeiro longa-metragem de Oliver, ele não é exatamente um estranho no ramo. Ele se formou pela conceituada Guildford School of Acting na Inglaterra e trabalhou no teatro e na televisão antes que essa oportunidade surgisse.

SOBRE OS REALIZADORES

DENNIE GORDON (Diretora) é uma das mais versáteis diretoras de Hollywood. Dennie é enigmática e surpreendente e tem uma formação bastante variada incluindo filmes documentários internacionais, Escola de Artes Dramáticas de Yale (Yale Drama School) e comédias produzidas por Adam Sandler. Conhecida por seu talento e sua coragem, Gordon é a escritora e diretora que busca "o lado cômico em tudo". Gordon acredita que os filmes, assim como a vida, devem conter elementos de comédia, drama e obviamente o totalmente absurdo.

Gordon desenvolveu e dirigiu What A Girl Wants. Este conto de fadas romântico segue uma espirituosa nova-iorquina (Amanda Bynes) em sua jornada a Londres para encontrar o aristocrático pai que ela nunca tinha visto (Colin Firth). O filme é também estrelado por Kelly Preston, Jonathan Pryce e a dama do teatro Eileen Atkins. O filme foi rodado na Inglaterra em locações privadas, incluindo o exclusivo St. James Palace, bem como na extremidade norte do deserto do Saara no Marrocos.

Gordon obteve seu primeiro reconhecimento quando seu roteiro para A Hard Rain foi escolhido para ser produzido dentre mil candidatos para o "Discovery Program".

Graças a Steven Spielberg um copião de seu filme atraiu a atenção de George Lucas, que doou mais de US$ 75.000 em mão de obra e equipamento para terminar a mixagem de som do filme no Skywalker Ranch.

A Hard Rain também chamou a atenção de David E. Kelley que convocou Gordon para comandar vários episódios da série para a televisão. Gordon tornou-se diretora em tempo integral para Kelley, dirigindo episódios de Picket Fences, Chicago Hope, The Practice e Ally McBeal. Gordon também dirigiu episódios dos conhecidos Sports Night, Party of Five, Grounded for Life e Tracey Takes On. Recebeu o prestigiado Directors Guild of America (DGA) Award pela comédia Tracey Takes On. Atores dirigidos por Gordon já arrebanharam 08 prêmios Emmy.

Também dirigiu uma série de pilotos para a televisão incluindo Glory Days de Kevin Williamson e Beat Cops de Conan O'Brien.

Gordon deu seu salto para o cinema com The Adventures of Joe Dirt estrelado por David Spade. Esse filme foi lançado pela Sony na primavera de 2000 e essa comédia clássica já faturou mais de sessenta milhões de dólares no mundo, e continua subindo.

DENISE DI NOVI (Produtora) é considerada umas das maiores produtoras de Hollywood, e seu trabalho tem sido fundamental em trazer para a tela obras dos mais criativos cineastas da atualidade. Dentre seus muitos créditos como produtora estão filmes como Atração Mortal e Adoráveis Mulheres, assim como inúmeros filmes durante sua associação com Tim Burton, incluindo Edward Mãos De Tesoura, Batman - O Retorno, O Estranho Mundo de Jack, Ed Wood e James e o Pêssego Gigante.

Seus últimos lançamentos, Da Magia à Sedução e Uma Carta de Amor estrearam em primeiro lugar nas bilheterias. Outros sucessos de Di Novi incluem Um Amor para Recordar com Mandy Moore, e Pecado Original, estrelando Antonio Banderas e Angelina Jolie.

Di Novi iniciou sua carreira em jornalismo como redatora no National Observer (Uma publicação semanal da Dow Jones) e prosseguiu até tornar-se jornalista plena do Canada AM em Toronto. Seu talento para escrever e experiência com a mídia a levaram para a indústria cinematográfica, onde começou como agente de publicidade. Em 1980, tornou-se sócia da Film Plan, uma produtora com sede em Montreal, onde trabalhou em inúmeras produções com grandes estúdios para alguns importantes lançamentos como Scanners - Sua Mente Pode Destruir e Videodrome - A Síndrome do Vídeo. Em 1983, a Film Plan transferiu-se para Los Angeles e fundiu-se com a Film Packages de Arnold Kopelson.

Formado pela University of California, em santa Cruz, BILL GERBER (Produtor) começou sua carreira na área de entretenimento no ramo de música. Após ter promovido alguns concertos, trabalhar na A&M e na Nemporer/CBS Records, Gerber tornou-se sócio da Lookout Management onde representava os grupos, The Cars e Devo. Em 1984, Gerber iniciou sua carreira como produtor com projetos para a Warner Bros. Pictures e Paramount Pictures e em 1985, montou a Gerber/Rodkin, uma empresa de produção que representava Judd Nelson, Robert Downey Jr., Billy Zane, Sara Jessica Parker e Dan Hartman. Em 1986, Gerber deixou sua empresa para juntar-se a Warner Bros. Pictures como Vice Presidente Encarregado De Produções Teatrais. Permaneceu na posição por 12 anos e em seguida, em 1996, foi promovido a Presidente Mundial de Produções Teatrais.

Durante seu período com a Warner, Gerber supervisionou os filmes Los Angeles - Cidade Proibida, Os Imperdoáveis, Twister, Selena, Os Bons Companheiros, Fogo Contra Fogo, JFK - A Pergunta Que Não Quer Calar, Assédio Sexual, Dois Velhos Rabugentos, Dois Velhos Mais Rabugentos, Mensagem Para Você e Máfia no Divã e cuidou do desenvolvimento de Mar em Fúria e Cowboys do Espaço.

Em maio de 1998, Gerber decidiu montar sua própria produtora, a Gerber Pictures. Desde então, já produziu Juwanna Mann e Jovens Justiceiros de Morgan Creek e foi produtor executivo do filme para a televisão a cabo James Dean e produziu também A Rainha dos Condenados e O Implacável para a Warner Bros. Pictures.

Gerber produziu também o ainda inédito Um Casamento De Alto Risco, estrelando Michael Douglas e Albert Brooks e a comédia de aventura sobre skates Grind.

HUNT LOWRY (Produtor), junto com seu sócio E.K. Gaylord II, recentemente estruturou um acordo de longo prazo com a Warner Bros. Pictures para co-financiamento e produção para a Gaylord Films e sua divisão Pandora. Gaylord Films e Pandora têm atualmente vários filmes em fase de produção, pós-produção e de desenvolvimento.

Em 2002, Lowry foi o produtor executivo da comédia da Warner Bros. Pictures, Tudo por um segredo. Lowry também atuou como produtor no aclamado Deixe-me Viver, com Alison Lohman, Robin Wright Penn, Michelle Pfiefer e Renée Zellweger; a comédia Divinos Segredos estrelando Sandra Bullock, Ellen Burstyn, Fionnula Flanagan, James Garner, Ashley Judd, Shirley Knight, Angus MacFadyen e Maggie Smith; e a inspiradora história de amor Um Amor Para Recordar, estrelando Mandy Moore e Shane West; todos da Warner Bros. Pictures. Para a Miramax, Lowry produziu o filme de ação e ficção científica Cypher, estrelado por Jeremy Northam e Lucy Liu.

Dentre os inúmeros outros créditos de Lowri estão Duas Vidas, estrelando Bruce Willis; o filme de suspense Instinto, com Anthony Hopkins e Cuba Gooding Jr. Tempo de Matar de Joel Schumacher estrelando Sandra Bullock; o romance épico Lancelot - O Primeiro Cavaleiro, com Sean Connery e Richard Gere; Minha Vida, estrelado por Michael Keaton e Nicole Kidman; Zona de Perigo, com Bruce Willis; o premiado O Último dos Moicanos, com Daniel Day-Lewis; a comédia de Chris Columbus, Mamãe Não Quer Que Eu Case; Construindo uma Carreira; No Limite da Loucura e Top Secret! - Super Confidencial. Para a televisão, Lowri produziu as mini séries Dream West, Surviving: A Family in Crisis, e foi produtor executivo em Rascals and Robbers: The Secret Adventures of Tom Sawyer and Huck Finn.

JENNY BICKS (Roteiro) já escreveu para vários seriados na televisão como Seinfeld e Dawson's Creek. Ela é mais conhecida por seu trabalho como escritora/produtora de Sex and the City, que lhe rendeu dois Globos de Ouro e um Emmy.

Jenny juntou-se ao Sex and The City como supervisora de produção em sua primeira temporada e permaneceu nas demais temporadas escrevendo mais de dez episódios da série, incluindo o episódio que recebeu indicação para o prêmio do Writer's Guild, "Four Women and a Funeral". Este ano, o último da série, Jenny será a produtora executiva. Seu trabalho na produção de Sex and the City lhe rendeu o prêmio de Produtora do Ano conferido pelo Producers Guild.

No ano passado Jenny criou e produziu Leap of Faith, uma comédia de meia hora que foi ao ar na televisão norte-americana após a série cômica de sucesso Friends.

Jenny também tem extensos trabalhos feitos para o cinema. Além de escrever What A Girl Wants, ela fez a adaptação do último livro de Meg Cabot (The Princess Diaries) para o filme da Disney All American Girl. Ela está neste momento adaptando o livro The Nanny Diaries para a Miramax Films. Jenny também já rescreveu inúmeros roteiros de filmes, incluindo View From The Top, Escrito nas Estrelas, Josie e As Gatinhas e Nunca Fui Beijada.

Seus ensaios cômicos já apareceram na Los Angeles Magazine e "Life's a Stitch", um compêndio de humor publicado pela Random House. Além do mais, Jenny já escreveu piadas para o Presidente Clinton.

Jenny nasceu e foi criada em Nova Iorque e agora vive em Los Angeles.

ELIZABETH CHANDLER (Roteiro) tem em seus créditos cinematográficos o longa metragem da HBO Vôo Rasante, A Princesinha da Warner Bros Pictures e a comédia romântica de Ashley Judd-Hugh Jackman Alguém Como Você. Seu projeto mais recente Eloise at Christmas que foi escrito e produzido por ela, está atualmente em fase de pós-produção.

E.K. GAYLORD II (Produtor Executivo) é Diretor Presidente da Gaylord Films e faz parte do conselho da Gaylord Entertainment Company e da Oklahoma Publishing Company. Gaylord é também Diretor do National Cowboy Hall of Fame and Western Heritage Center e faz parte do conselho da National Arthritis Foundation.

Gaylord foi recentemente o produtor executivo do elogiado drama Deixe-me Viver, estrelando Alison Lohman, Robin Wright Penn, Michelle Pfiefer e Renée Zellweger; Divinos Segredos, um clássico conto sulista sobre a vida, amor e família que seguem um grupo de eternos amigos; a popular história de amor Um Amor Para Recordar, baseada no livro de Nicholas Sparks, estrelando Shane West e Mandy Moore; e será o produtor executivo do inédito Grind, uma comédia de aventuras sobre skatistas.

Gaylord é um homem que tem uma ampla variedade de interesses. Ele é proprietário e opera a Arena e Centro de Treinamento Lazy E Ranch próximo de Guthrie, Oklahoma, assim coma as Fazendas Gaillardia em Lexington, Kentucky e o Gaillardia Ranch no Condado de Kendall, no Texas. Ele faz parte da diretoria da Breeder's Cup e é muito ativo no ramo de criação de puros sangues. Ele tem participação no Hospital Infantil (Children's Hospital), Pesquisa de Medicina Infantil (Children's Medical Research), A Sociedade de Leucemia (the Leukemia Society), a Fundação para Artrite (the Arthritis Foundation) e o United Way.

ALISON GREENSPAN (Produtor Executivo), como Presidente de Desenvolvimento da Di Novi Pictures, desenvolveu e supervisionou a produção londrina de What A Girl Wants. Greenspan também ajudou no desenvolvimento da inspiradora história romântica Um Amor para Recordar e atualmente trabalha no ainda inédito Catwoman e New York Minute, estrelando Mary Kate e Ashley Olsen.

CASEY LA SCALA (Produtor Executivo) está atualmente produzindo a comédia Grind, e que marca sua estreia na direção, com lançamento previsto para 2003. Ele irá também produzir o suspense Tempting Pandora.

Recentemente La Scala atuou como produtor executivo da comédia Welcome to Colinwood e no romântico Um Amor para Recordar, estrelando Mandy Moore and Shane West, para Warner Bros. Pictures, bem como o aclamado Donnie Darko, que estreou em 2001 no Sundance Film Festival e recebeu indicação para o Prêmio dos Jurados. Ele foi produtor no suspense de ficção científica Cypher para a Miramax, estrelando Jeremy Northam e Lucy Liu e a recém lançada comédia Blue Collar Comedy Tour: The Movie, com Jeff Foxworthy, Bill Engvall, Ron White e Larry the Cable Guy.

ANDREW DUNN (Diretor de Fotografia) recebeu aplausos por seu trabalho no filme Assassinato Em Gosford Park, e desde então deu uma nova dimensão ao filme O Conde de Monte Cristo e também Doce Lar, estrelado por Reese Witherspoon.

Dunn começou sua carreira com alguns dos melhores dramas britânicos para a televisão: No Limite das Trevas, dirigido por Martin Campbell com Bob Peck, Joe Don Baker e Joanne Whalley; The Monocled Mutineer, dirigido por Jim O'Brien com Paul McGann e Timothy West; Tumbledown, dirigido por Richard Eyre estrelando Colin Firth; Blackeyes, dirigido por Dennis Potter; e Absence of War, dirigido por Richard Eyre com John Thaw.

Sua carreira cinematográfica já o levou ao redor do mundo. Ele já trabalhou em filmes como L.A. Story, dirigido por Mick Jackson com Steve Martin; O Guarda-costas, estrelando Kevin Costner e Whitney Houston; o filme de Nicholas Hytner, As Loucuras do Rei George baseado na peça de Alan Bennett, com Nigel Hawthorne e Helen Mirren; e no próximo filme de Hytner, As Bruxas de Salem de Arthur Miller, estrelando Daniel Day-Lewis e Winona Ryder.

MICHAEL CARLIN (Desenhista de Produção) chega ao cinema após uma bem sucedida carreira como desenhista em clipes e comerciais. Seus filmes incluem Febre de Bola, o controvertido filme de Tim Roth Zona de Conflito, There's Only One Jimmy Grimble, Eu Sem Você, a versão da BBC para Crime e Castigo (filmado em São Petersburgo), The Heart of Me, e Keen Eddie, um piloto de série dirigido por Simon West.

CHARLES McCLELLAND (Montagem) iniciou sua carreira no teatro como diretor e desenhista antes de mudar-se para o exigente mundo das séries para a televisão. Trabalhou intensamente com Dennie Gordon na televisão nos últimos anos; ele fez a montagem do episódio piloto de Ally McBeal; nos últimos seis anos ele fez a montagem da série dramática americana O Desafio. What A Girl Wants é seu primeiro longa-metragem.

RUPERT GREGSON-WILLIAMS (Compositor) já trabalhou muito, tanto para a televisão como para o cinema. Os longas-metragens nos quais já contribuiu incluem FormiguinhaZ, O Príncipe do Egito, Hannibal, Spirit - O Corcel Indomável, Thunderpants, Plots with a View, Crime Spree, Sensualidade Virtual e Urban Ghost Story. Contribuiu também para projetos na televisão como Extremely Dangerous, Happy Birthday Shakespeare, Hawk, Princess of Thieves, My Beautiful Son, The Last Detective e Jack and the Beanstalk: The Real Story, pelo qual recebeu indicação para o Emmy na categoria de Melhor Composição Musical.

SHAY CUNLIFFE como figurinista pinta telas ousadas com suas irretocáveis ilustrações. Seus primeiros filmes incluem Eclipse Total com Kathy Bates; Uma História Americana; A Qualquer Preço estrelando John Travolta; Carícia Fatal com John Malkovich; e Mrs. Soffel - Um Amor Proibido estrelando Mel Gibson.

A seguir, Mel Gibson a convidou para desenhar os figurinos de seu filme de estréia como diretor, O Homem Sem Rosto. O memorável "Western" de John Sayles Estrela Solitária ofereceu novos desafios e foi um contraste interessante com seu trabalho em Cidade dos Anjos, com Nicholas Cage e Meg Ryan.

Os créditos mais recentes de Cunliffe incluem The Prime Gig, Doce Novembro e Nunca Mais. Previstos para 2003, o trabalho de Cunliffe poderá ser visto na comédia romântica de Rob Reiner, Alex & Emma, estrelado por Kate Hudson e Luke Wilson.

DEBRA BAUM (Supervisão Musical) já supervisionou as seleções musicais e produziu a trilha Sonora de uma grande variedade de filmes incluindo Deixe-me Viver, Tudo por um Segredo, Divinos Segredos, Um Amor para Recordar, Olhar de Anjo e 3.000 Milhas para o Inferno. Baum também supervisionou a musica de O Assalto e The Pledge.


voltar.gif


transp.gif (45 bytes)